Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O Regresso de Deus

por Raquel Vaz Pinto, em 04.06.10

A Quetzal acabou de editar um excelente livro.

Mais uma vez Francisco José Viegas arrisca a edição de um livro que deu muito que falar.

Eu li a versão original em duas tardes.

Numa Europa que tenta negar que a herança cristã é indissociável da nossa história e civilização, este livro mostra-nos a realidade do resto do mundo. Um mundo onde a religiosidade floresce e cada vez mais faz parte do quotidiano e da vida pública. Acresce uma escrita cativante de John Micklethwait e Adrian Wooldridge, dois excelentes jornalistas da revista The Economist, aliás o primeiro é o próprio editor.

Para quem procura uma visão mais abrangente sobre esta matéria, este é o livro certo.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Anti-Patriotas do Paleio Fiado a 04.06.2010 às 21:27


Vamos regressar de novo ao «alah akbar»!

O que esta gente iventa para enganar o pagode!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.06.2010 às 03:38

Que bom...e o resto do mundo em que a religiosidade floresce é o quê, já agora? A América Latina e África? Ok, também temos as zonas mais interiores dos E.U.A. Que sorte! E o que é que acontece nos países mais desenvolvidos e nas camadas populacionais com acesso a níveis mais elevados de educação e com mais poder económico? Pois, que maçada...

Já agora, e antes que digam que esta última chamada de atenção foi inventada, lembro que o eurobarómetro de 2005 mostra claramente que a religião tem mais peso nos sectores mais desfavorecidos da população, comparativamente com os mais favorecidos e com acesso a educação superior. E ao contrário do que o texto faz parecer isto não se verifica só na Europa. Qualquer pessoa concorda que a religião tem mais peso no interior dos E.U.A. do que nas regiões mais desenvolvidas. E lembro-me de quando foi o mundial Coreia do Sul/Japão ver um documentário sobre a Coreia do Sul (um país desenvolvidito dizem) em que, ao apresentarem alguns dados, informavam que mais de metade da população não professava qualquer religião.

Dito isto sou forçado a concordar com o cometário anterior: "O que esta gente iventa para enganar o pagode!"
Sem imagem de perfil

De miguel a 05.06.2010 às 15:41

em relação a este assunto, só tenho duas palavras:
- christopher hitchens.
Sem imagem de perfil

De lili a 05.06.2010 às 22:52

A capa está mal escolhida, ou título não condiz.

Comentar post