Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Por causa desta pergunta, o vento sueste dá esta extraordinária resposta:

 

"Pode um dado povo étnico-religioso emigrar para uma dada zona do mundo e declarar-se um Estado? Existem muitos locais na Europa com muita população muçulmana. Querem arriscar uma resposta?"


A coisa sugere dois comentários. Primeiro: conheço gente que tem umas preocupações assim. É uma rapaziada que, normalmente, odeia pretos, judeus e árabes. E mais ainda quando eles se mudam para perto. Calma, eu sei que não é o caso do CN (ou presumo), mas é para explicar como há maus argumentos que sustentam uns ainda piores.

O outro comentário é mais uma sugestão: e que tal um livrinho de História para resolver essa confusão. Assim, muito muito por alto, aquela coisa do Cristo, da cruz e dos romanos que também lá estavam, lembra-se, CN? O Cristo era quê? No tempo de Cristo eles ali eram o quê? Qual era a "etnia-religião"?A História é uma maçada, é o que é.

 

Ah, mas há uma coisa que fica clara: a resposta do Carlos Novais à pergunta sobre se Israel tem direito a existir ou não. Caem sempre.


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De A. R a 09.06.2010 às 21:47

Para muito ignorantes os Judeus foram postos lá onde é agora Israel  e criaram um país. Ora bem os judeus já lá viviam: tenham jornais, sinagogas, vida social e religiosa organizada, etc quando se fundou o Estado de Israel e sempre viveram desde há mais de 3600 anos.

Nunca se falou de povo palestiniano até à fundação do Estado de Israel. O tal "Povo palestiniano" são árabes muçulmanos que se encostaram ao protectorado inglês. De resto se quiserem falar da Palestina o território coincide com a Jordânia que elegantemente matou milhares de "palestinianos" quando estes ameaçavam a dinastia hachemita.

Longa vida à única democracia e Estado de Direito no meio de víboras venenosas.

Viva Israel e que Israel em breve integre Gaza e a Cisjordânia na pátria mãe.
Sem imagem de perfil

De Miguel Madeira a 10.06.2010 às 03:38

"Ora bem os judeus já lá viviam: tenham jornais, sinagogas, vida social e religiosa organizada, etc quando se fundou o Estado de Israel e sempre viveram desde há mais de 3600 anos."


Algumas familias judias terão vivido lá durante 3600 anos (mesmo assim é duvidoso - os Cruzados exterminaram quase todos os judeus que sobraram dos tempos biblicos, mas alguns hão de ter escapado), mas nem  a maioria do povo judeu viveu lá durante 3600 anos, nem a maioria esmagadora do actual território teve qualquer presença de judeus durante os últimos séculos (no máximo, terão existido algumas comunidades judias em Jerusálem e ao pé do lago Tiberiades).

Ainda por cima, muitos dos tais judeus que já viviam na Palestina andes do começo da imigração sionista até eram bastante hostis à ideia de criar o Estado de Israel

"Nunca se falou de povo palestiniano até à fundação do Estado de Israel."

O Partido Comunista Palestiniano, composto por árabes e judeus, foi criado nos anos 20

"O tal "Povo palestiniano" são árabes muçulmanos"

Não me vai dizer que os fundadores da FPLP e da FDLP, George Habash e Naef Hawtmeh, eram árabes muçulmanos

"Viva Israel e que Israel em breve integre Gaza e a Cisjordânia na pátria mãe."

Isso significa integrar 3 milhões e meio de árabes em Israel (um pais com 7 milhões e meio de habitantes) - o A.R. quer por em perigo o "Estado judeu"????

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





subscrever feeds