Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Sobre o tal Renato e do tal Renato

por Jacinto Bettencourt, em 09.06.10

tenho lido muita coisa, pelo que compreendo e louvo a bonomia empregue por vários membros deste e de outros blogues nas respostas dadas às infantilidades da criatura. É certo que não aprecio gente que opta por viver entre o ódio e o preconceito pueril, que revela perturbadoras dificuldades emocionais no relacionamento com os outros (sobretudo, com todos os que dele discordam), e/ou que, não tendo qualquer espécie de compostura, tudo faz para provocar uma cena. Por estes motivos, mas também porque acredito, piamente, que a decência nos proíbe de  bater em alguém que se expõe ao ridículo e se encontra numa posição terrivelmente confrangedora, não tomarei posição sobre o que o Renato escreve e aquilo que sobre o Renato se escreve.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De João Costa a 09.06.2010 às 17:25

É impressão minha, ou andam a perder demasiado tempo com um alucinado? 
Sem imagem de perfil

De Alexandre Kulcinskaia a 09.06.2010 às 17:27

Atitude louvavel e mais que sensata.
______________________________
http://kulcinskaia.blogs.sapo.pt/
Sem imagem de perfil

De Nuno Ramos de Almeida a 09.06.2010 às 18:40

Caro Jacinto Bettencourt,
Para quem está de fora e lê o 31 da Armada, este tem tanto  de 'preconceito pueril e ódio', como os que imputa ao Renato. Todos escrevemos com preconceitos, a questão é se, para além deles, há uma opinião para exibir e eventualmente discutir. No seu caso, temos apenas uma pose demasiado satisfeita consigo mesmo. Finalmente, em termos de decência, o seu post não é indecente nem o contrário: É apenas vazio. O que lhe sobra em sobranceria, falta-lhe em conteúdo.
Sem imagem de perfil

De Jacinto Bettencourt a 09.06.2010 às 18:59

Caro Nuno Ramos de Almeida,

deixe-me que lhe diga que o facto de ter comentado o meu post sugere que o mesmo não é assim tão vazio, sobretudo se aquilo que se escreve chama a atenção para o que não se lê (o chamado dito no dizer). Estou certo, aliás, que não anda por aí a comentar posts que considera vazios, e com isso me contento visto que tenho muito gosto em ver um post meu "glosado" pelo Nuno Ramos de Almeida.

Dito isto, parece-me que não há nada para concordar ou discordar. Eu discordo de practicamente tudo o que se escreve no 5 Dias, mas gosto muito de os ler e encontro nos posts que por lá leio ideias que exigem uma tomada de posição e um esforço dos diabos a quem as queira contradizer. Já o Renato, e o que o Renato escreve, desculpe-me a frontalidade, sai deste registo. O Renato apresenta-se, naquilo que escreve, com uma criatura socialmente amargurada e supérfula, dominada por ódios e que tenta, sem sucesso, conciliar pequenos preconceitos numa síntese maior, para a qual não tem, aparentemente, categoria intelecutal. Quando um blogger se coloca, como o Renato o faz agora, numa posição tão fútil quanto agressiva, é o Renato e o ridículo que o acompanha que se tornam assunto.

É triste, bem sei. E cruel. Foi mais ao menos sobre isto que tentei (mal, ao que vejo) escrever.
Sem imagem de perfil

De Nuno Ramos de Almeida a 10.06.2010 às 01:22

Caro Jacinto Bettencourt,
Vê-se que você é um excelente advogado, com a sua resposta inteligente e simpática consegue desarmar a minha vontade de me indignar. Deixe-me, no entanto, contrariar a sua opinião. Acho que na maioria das vezes, quando postamos, resumimos os argumentos aos mais simples possíveis e funcionamos com estereótipos. Aqui como no 5 dias. Tirando essa camada de demagogia é possível encontrar na maioria dos posts de pessoas inteligentes algo para debater. Penso que poderiam ter tido esse debate se tivessem voltados para isso. Melhores postas virão.
Imagem de perfil

De Jacinto Bettencourt a 10.06.2010 às 16:15

Caro Nuno Ramos de Almeida,
Acho que tem toda a razão. Mas dito isto, reafirmo que os posts do Renato sobre Israel (e noto que eu não alinho pela posição dominante do 31 nesta matéria; entendo que Israel deve e merece críticas pelo que fez) e sobre um texto verdadeiramene engraçado da Inês Teotónio Pereira, aliados ao bombardeamento de insultos imberbes que tem dirigido, cegamente, a todos os 31s, revelam um autor tão perturbador, que quaisquer opiniões pelo mesmo exaladas se tornam irrelevantes ao leitor. Parece-me que mundo está mais interessado em saber o que mau aconteceu ao Renato, do que em saber a quem quer o Renato fazer mal.
Cumprimentos,
Imagem de perfil

De Daniel João Santos a 09.06.2010 às 18:44

E esse Renato e a guarda de comentadores que ele tem, são relevantes o suficiente para lhe dedicar estas linhas?

Comentar post