Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os chips e a privacidade

por Manuel Castelo-Branco, em 24.06.10

Li hoje o post de Antonio Nogueira Leite sobre os chips. Sem querer entrar na discussão ANL /JMF convinha acrescentar o seguinte:

 

Efectivamente, os chips não permitem a geo referenciação, apenas são detectados por mecanismos receptores adaptados ao efeito. No entanto, face à infeliz e exagerada rede de auto-estradas nacional, é legitimo assumir que funcionam quase como um mecanismo de localização do veículo. Menos preciso que os telemóveis mas ainda assim, só muito dificilmente, me poderei deslocar na rede viária dos grandes Itinerários (IP e IC) sem ser identificado pelo sistema de chips proposto. Isso, meu caro António viola a minha privacidade de uma forma intolerável. Hoje, com a via verde posso optar pela cobrança automática ou manual via portageiro. Nesta última não sou, como sabes, identificado. Em reforço, essa preocupação foi garantida pela Brisa ao não identificar no próprio débito bancário, a origem e o destino.

 

Sendo o chip proposto universal, e assumindo um pressuposto algo alarmista, será mais fácil colocar identificadores em vários locais sem que o próprio saiba. Havendo uma identificação directa com o condutor ou veículo, a violação é imediata. Hoje, sendo a via verde uma tecnologia proprietária, esse risco praticamente não existe.

 

Posso compreender, mas não concordar, razão pela qual o PSD, abdique do princípio da privacidade, subalternizando-o ao pragmatismo do deficit. A situação do País, herdada do PS, empurra-nos para essa tentação. Acontece que essa secundarização é perigosa, coloca o curto prazo mais importante que o estrutural, coloca o orçamento mais relevante que a reserva da vida privada. Esse primado dos números sobre os princípios foi o mesmo erro que caiu a governação do PSD, quando teve a maioria absoluta. Erro que seria desejável que não voltasse a acontecer.


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Jose a 24.06.2010 às 13:30

Havia um senhor que apregoava uma frase famosa, "orgulhosamente sós" de quem quase toda a gente fala mal, e esse senhor trabalhando para o país (que não obrigatoriamente para o povo) fechava fronteiras e obrigava o pais a viver daquilo que tinha. Esse senhor acabou.
Agora temos uns senhores que tratam de fechar Portugal ao exterior como se fosse um pais independente, se não precisasse de ninguém, mas não governa para o pais nem para o povo mas sim para si mesmos.
Mas estas mentes iluminadas a favor do chip pensam que realmente é para o bem de alguém que se força a sua implementação?? É sim, para os amigos que os fabricam e implementam!! De resto só irá entupir as estradas nacionais de camiões, irá fazer diminuir a vinda de espanhóis a passar um fim de semana, mas isso não importa, o que importa é que se venda a porcaria do chip, não os resultados posteriores.
Eu quando vou a Portugal já tenho dificuldade em efectuar pagamentos através do vulgar VISA Electron pois a maior parte das maquinas só tem contracto para os cartões nacionais, se vem de Espanha já não é aceite, isto até na VDG passa, e agora com essa inovação mundial dos chips quero ver como vai ser.... Sempre ouvi dizer que dinheiro deve-se aceitar de qualquer forma e neste caso não basta ter dinheiro, é preciso entrar no esquema desses senhores que a cada dia que passa mais destroem o país.

Comentar post