Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Para que serve o dinheiro da Câmara Municipal de Lisboa?

 

Nas últimas eleições, o escritor José Saramago apoiou o actual presidente da capital. António Costa tinha decidido ceder à Fundação José Saramago a Casa dos Bicos  - património da cidade, construido no século XVI pelo filho de Afonso de Albuquerque. A cedência, se não me engano, foi apenas por dez anos mas, agora que as cinzas do escritor vão ser depositadas à frente da dita casa, algo me diz que será por mais tempo. Para o arranjo deste edifício, reconstruido em 1983, foi orçamentada uma verba de  595 mil euros. Agora, a conta das obras aponta para mais de 2 milhões de euros: mais de 300% de derrapagem de dinheiros públicos!

 

- Mas não se ouve o Bloco de Esquerda a zurzir contra a derrapagem desta obra pública, a cargo de uma fundação privada...

 

A Fundação Saramago veio agora propôr, para o prémio Nobel da Paz, o Juiz Baltazar Garzón. A justificação dada à proposta é o facto de o juiz “estar envolvido na defesa dos Direitos Humanos". Mas este juiz, para lá dos seus méritos e passadas glórias, está igualmente "envolvido" em três casos complicados na justiça espanhola: os crimes do franquismo, para o qual não teria competência para julgar; alegados subornos para financiar os seus cursos; e, ainda, escutas ilegais no âmbito do vergonhoso caso Gurtel.

 

- Mas não se vê o PS indignado com "estas" escutas ilegais, nem Ana Gomes insurgir-se contra estes financiamentos...

 

Claro que Saramago morreu e deve ser respeitado um período de luto, mas a actuação da fundação que carrega o seu nome - deve poder ser criticada. Afinal, as suas instalações são pagas por todos nós.


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Imagem de perfil

De DBH a 06.07.2010 às 17:10

Caro "javali"(!?),

Escrevi "património da cidade" no sentido de propriedade. Aliás, apesar de ser classificado desde 1911, tenho impressão que era privado até ao último quartel do século XX.


 
Sem imagem de perfil

De Rui Monteiro a 03.08.2010 às 21:36

Era um armazém de bacalhau ... salvo erro dos descendentes de Afonso de Albuquerque

Comentar post