Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Agora sim, entramos em período de nojo

por Manuel Castelo-Branco, em 26.07.10




José Saramago queria ser Espanhol.  Pilar del Rio quer agora ser Portuguesa.

 

Vontade legitima, mas totalmente surpreendente, vindo de alguém que, em conjunto com o seu marido, ou individualmente, demonstrou desilusão, mágoa e injustiça, mas nunca afinidade, admiração com o nosso País.

 

Só espero que a razão desta "conversão" tardia não esteja relacionada com isto (700 mil Euros de impostos exigidos pelo fisco) ou com eventuais fundos públicos necessários à fundação com nome do seu marido.


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.07.2010 às 11:27

Creio que se impôe um esclarecimento. Há vários anos que estava pendente entre a Direcção Geral de Finanças de Portugal e a congénere espanhola a questão de saber onde deveria José Saramgo ser tributado, na medida em que apesar de ter uma residência em Espanha, ter sempre mantido a sua residência oficial em Portugal, sendo tributado em Portugal. Trata-se da questão de evitar a dupla tributação sobre os mesmos rendimentos em Portugal e, simultaneamente, em Espanha. Ora, não obstante o que fica dito, tendo Saramago pago os seus impostos em Portugal, os tribunais espenhóis entenderam agora que ele residia em Espanha e, portanto, os cofres de Espanha têm direito a receber os tais 700 mil Euros.
Fica o esclarecimento, que, para pura maldicência, já basta.
De qualquer modo, se o que motiva Pilar são os fundos para a Fundação do ex-marido, também nisso nada vejo de censurável. Antes mais um testemunho do muito amor que por Saramago deve ter sentido. Bemvinda, Pilar! Uma portuguesa.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.07.2010 às 11:00

Uma vez que não se identifica, farei o mesmo.
O que diz é verdade, mas incompleta, onde a falta de informação faz toda a diferença na conclusão final. Existe de facto um litígio entre o fisco Espanhol e o casal Saramago relativo a rendimentos passados. Existe também um acordo de dupla tributação. Este ultimo é absolutamente claro sobre nacionalidades, locais de residência e regras sobre países de tributação. Aquilo que o casal Saram. fez, foi procurar fugir a esse acordo, tributando parte dos rendimentos onde o regime fosse mais favorável - absolutamente legitimo, ou inclusive  retirando rendimentos do perímetro de tributação  - o que normalmente é apelidado como fuga ao fisco. 


Logo, a duvida do autor do post - sobre a verdadeira intenção do pedido de nacionalidade - é legitima e a vossa indignação exagerada. Houve uma fuga ao fisco e há um inesperado e surpreendente pedido de nacionalidade por parta da mulher de JS. Estarão as duas coisas relacionadas?  Eu diria que há alguns indícios, mas obviamente não há certezas. 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.






subscrever feeds