Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

Estava no meio da avenida da liberdade enquanto as águas corriam furiosas. Ao meu lado estava um espanhol saído da embaixada. Preocupado com a inundação tirou o blazer enfiou os braços dentro de água e abriu a sarjeta. Tirou uns quilos de folhas e água começou a correr. E naquele momento percebi que Portugal não era bem um país europeu.

 

Todos os anos é a mesma coisa. As sarjetas estão sujas a cidade inunda. A cidade inunda, os restaurantes e as ruas fecham. Os restaurantes e as ruas fecham e o caos instala-se. E os serviços da câmara e os bombeiros fazem horas extraordinárias a limpar as sarjetas que deviam estar limpas no dia em que começa a chover. E hoje em dia nem é preciso falar com os deuses para saber quando é que começa a chover. Um presidente de camara tem imensas coisas em que pensar mas deixar as sarjetas limpas não era um mau princípio de gestão autárquica.  

Todos os anos é a mesma conversa. Explicam que os “índices de pluviosidade foram anormais”. Como se em Bruxelas, Londres ou Antuérpia não chovesse assim todos os dias.  


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De dói...dói a 29.10.2010 às 18:21

Queria dizer Marte.
Já agora... para Link.
http://www.google.pt/images?hl=pt-PT&biw=1041&bih=778&q=cheias+no+Porto&um=1&ie=UTF-8&source=univ&ei=VwHLTMOvBpDQjAeGke3hDw&sa=X&oi=image_result_group&ct=title&resnum=2&ved=0CCsQsAQwAQ
Vê lá bem se não há cheias...Daaaaaaaaaahhhhhhhhh!!!!

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





subscrever feeds