Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

Estava no meio da avenida da liberdade enquanto as águas corriam furiosas. Ao meu lado estava um espanhol saído da embaixada. Preocupado com a inundação tirou o blazer enfiou os braços dentro de água e abriu a sarjeta. Tirou uns quilos de folhas e água começou a correr. E naquele momento percebi que Portugal não era bem um país europeu.

 

Todos os anos é a mesma coisa. As sarjetas estão sujas a cidade inunda. A cidade inunda, os restaurantes e as ruas fecham. Os restaurantes e as ruas fecham e o caos instala-se. E os serviços da câmara e os bombeiros fazem horas extraordinárias a limpar as sarjetas que deviam estar limpas no dia em que começa a chover. E hoje em dia nem é preciso falar com os deuses para saber quando é que começa a chover. Um presidente de camara tem imensas coisas em que pensar mas deixar as sarjetas limpas não era um mau princípio de gestão autárquica.  

Todos os anos é a mesma conversa. Explicam que os “índices de pluviosidade foram anormais”. Como se em Bruxelas, Londres ou Antuérpia não chovesse assim todos os dias.  


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Alexandre a 29.10.2010 às 14:03

A diferença entre o Espanhol e o Português. Por muito louvável que seja a atitude do cidadão Espanhol, a verdade é que nós Lisboetas pagamos impostos precisamente para que este tipo de situações não ocorram, para que os serviços da câmara mantenham as sarjetas limpas, o que nunca ocorre. Se temos de recorrer à acção directa, nesse caso por quê então continuar a pagar impostos? E para além do mais, aquilo que o Espanhol fez pode ser perigoso: as sarjetas estão imundas e devem ser limpas com equipamento apropriado (nomeadamente luvas grossas). Se o senhor se tiver cortado, neste momento deve estar a caminho do hospital - a nado.
Sem imagem de perfil

De dói...dói a 29.10.2010 às 14:20

Já cá faltava o portuga pessimista...

Por essa e por outras, é que foi um espanhol e não um portuga a resolver o problema.

Se um dia (por acaso) o estiver a ver a afogar, direi :

Que venha o 112, que eu pago impostos !
Sem imagem de perfil

De Alexandre a 30.10.2010 às 10:54

Olhe meu amigo, a coisa é muito simples. Todos os anos, quando caiem uns chuviscos, Lisboa fica inundada. Isto acontece todos os anos e toda a gente sabe porquê. Porque a meio do Outono, as sarjetas ainda não foram limpas quando deviam: antes das primeiras grandes chuvas.O que se passa em Lisboa é o que se passa por todo o país: falta de planeamento, é tudo resolvido à posteriori, com custos muito mais elevados. E quanto a morrer afogado, já esteve para acontecer à uns 20 anos: fui salvo por um surfista (eu e mais uns 40, no Guincho), porque nadadores salvadores nem vê-los. Repito: pago impostos para me serem fornecidos determinados serviços. Fui uma vez a um hospital em toda a minha vida. Não tenho dívidas, e sou poupadinho apesar de não ganhar sequer mil euros e de ter formação superior. Desde que trabalho, tiro em média uma semana de férias por ano, o resto gasto em formação paga do meu bolso (que aparentemente vou deixar de poder deduzir no IRS). Pessimista eu? Quando me tornar verdadeiramente pessimista, deixo de gastar dinheiro em formação e passo a fazer como os empresários portugueses, e estoiro o pouco que poupo em meninas e viagens. Antes pessimista que iludido.

Comentar post