Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

Estava no meio da avenida da liberdade enquanto as águas corriam furiosas. Ao meu lado estava um espanhol saído da embaixada. Preocupado com a inundação tirou o blazer enfiou os braços dentro de água e abriu a sarjeta. Tirou uns quilos de folhas e água começou a correr. E naquele momento percebi que Portugal não era bem um país europeu.

 

Todos os anos é a mesma coisa. As sarjetas estão sujas a cidade inunda. A cidade inunda, os restaurantes e as ruas fecham. Os restaurantes e as ruas fecham e o caos instala-se. E os serviços da câmara e os bombeiros fazem horas extraordinárias a limpar as sarjetas que deviam estar limpas no dia em que começa a chover. E hoje em dia nem é preciso falar com os deuses para saber quando é que começa a chover. Um presidente de camara tem imensas coisas em que pensar mas deixar as sarjetas limpas não era um mau princípio de gestão autárquica.  

Todos os anos é a mesma conversa. Explicam que os “índices de pluviosidade foram anormais”. Como se em Bruxelas, Londres ou Antuérpia não chovesse assim todos os dias.  


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De dói...dói a 29.10.2010 às 18:18

ài não ?
Deves ser de Mate.
Então lê lá isto OOOOOOO distraído.

Chuva: Cheias no Grande Porto

<input ... >2008-09-22

O início do Outono está a ser marcado por fortes chuvas. A precipitação elevada causou já inundações no Grande Porto e em Albufeira. Em Espanha, há pelo menos um morto a registar.


A chuva intensa que se faz sentir desde o início da manhã no Grande Porto está a provocar inundações em Matosinhos, Porto e Maia, disse à Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS).

A situação mais grave regista-se em Matosinhos onde, segundo os bombeiros locais, "o telefone não pára desde cerca das 08:30".

Comentar post