Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Política de verdade

por Manuel Castelo-Branco, em 03.11.10

Sempre tive de Manuela Ferreira Leite, a imagem de seriedade mas onde a coerência se misturava com alguma teimosia e obstinação. Foi assim enquanto Ministra da Educação e repetiu mais tarde enquanto Ministra das Finanças. Por detrás de uma analise económica séria, habituei-me a ver nas palavras de Manuela Ferreira Leite, o espelho de uma visão crua e fria de quem percebeu que o País vivia francamente acima das suas possibilidades e gastando onde não precisava.

 

MFL não queria viver no País do faz de conta - um País da mentira e um País do desperdício.

 

Hoje, percebi o engano em que vivi nos últimos anos. Afinal, MFL quer teatro, fingimento, mentira. Afinal, é possível ter um mundo para fora, diferente do que vivemos dentro de casa. É possível ser agressivo à segunda feira no Parlamento e ser passivamente cordato na terça. É possível dizer que não haverá uma terceira oportunidade na quarta-feira para na quinta vir afirmar com o maior desplante, que este é o Orçamento que o País precisa.

 

Afinal temos é de fazer o contrário daquilo que dizemos e não aquilo em que acreditamos. Temos de fingir.

 

Este é o País que temos, mas é também é aquele que merecemos.

 

PS. Numa intervenção no debate na generalidade do Orçamento do Estado para 2011, no Parlamento, Manuela Ferreira Leite pediu aos socialistas para não manifestarem publicamente desconfiança do PSD, fingindo que são "todos muito amigos", para que externamente Portugal tenha uma imagem de estabilidade.

 

...


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Alexandre a 03.11.2010 às 22:19

Não foi bem isso que ela disse. Eu assisti ao debate pela televisão, e o que ela disse foi que o exterior estava-se marimbando para o que os deputados diziam, mas que o mesmo não se aplicava relativamente ao ministro das finanças, e que era danoso para o país que o ministro da finança mostrasse desconfiança quanto aos motivos "eleitoralistas" que levaram o PSD a aprovar um mau orçamento. E já que ele não era capaz de confiar no "patriotismo" do PSD, ao menos que fingisse "para inglês ver". É um bocadinho diferente.

Comentar post