Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Fim de um pesadelo?

por Nuno Gouveia, em 23.03.11

A demissão de José Sócrates é o primeiro passo para o fim do pior desde D. Maria. Sousa Franco tinha dito que tinha sido o de António Guterres mas, infelizmente para os portugueses, a seguir veio outro ainda pior. Mas, e como sempre sucede em democracia, ninguém pode pensar que José Sócrates já está derrotado. Todos conhecemos a máquina socialista, que, em eleições, é muito competente. No entanto, e porque acredito que a maioria dos portugueses já está farta deste governo do Partido Socialista, interessa, desde já, ao PSD reunir condições para obter uma vitória confortável que lhe permita governar. Isto não quer dizer que tenha de ser sozinho. Defendo, e essa parece ser a regra na actual liderança do PSD, que o CDS deverá fazer parte desse governo.

 

Para as eleições que aí vêm, o PSD precisa de apresentar aos portugueses um plano claro de acção. Sem nunca esquecer as verdadeiras responsabilidades desta crise, o (des)governo Sócrates, a campanha deverá ser centrada no futuro. Um futuro difícil e complexo, cheio de obstáculos. Não vale a pena prometer o céu, quando todos sabemos que estamos no inferno. Mas é preciso apontar soluções e caminhos. O programa eleitoral deverá ser claro: fim da promiscuidade entre Estado e privado, diminuição do papel do estado na sociedade, e um novo modelo de desenvolvimento assente na iniciativa privada. O Estado deve preparar-se para emagrecer radicalmente, e empresas como a RTP ou a TAP devem ser privatizadas. Centenas de fundações e institutos públicos inúteis devem ser encerrados e organismos do Estado ultrapassados, como os governos civis, devem acabar. Um programa rigoroso, distinto das propostas do Partido Socialista, que possa oferecer um horizonte de esperança aos portugueses. O PSD até pode vencer as eleições, mas se o programa não for claro, a vitória poderá ser de pirro. Este não é o tempo para ilusões.


comentários

Sem imagem de perfil

De maria a 23.03.2011 às 23:36


nã. prefiro o cds a governar sozinho. estou farta de meias tintas , quero um partido popular e um aznar , direita assumida , coño. que com esquerda e direita envergonhada a gente não vai a lado nenhum. como se vê.
Sem imagem de perfil

De hummming a 24.03.2011 às 00:55

maria, tirou-me as palavras do teclado!
Sem imagem de perfil

De Conde do Tramagal a 23.03.2011 às 23:39

Argumentar-se desta forma no que diz respeito a reformas,é uma canalhice,pois todos nos recordamos  quando a direita andou de braço dado em manifs. com a CGTP,  o PCP e BLOco a contestar reformas levadas a cabo pelo PS.Furou inclusive o acordo par a justiça. A direita faz bem em não cantar vitoria,pois Socrates tem sete vidas,e é muito forte  como se viu em campanha mesmo com FREEPORT  a   dar uma ajuda...
Sem imagem de perfil

De blog do cinza coelho a 23.03.2011 às 23:44

os arautos já começaram a avisar para o perigo de um governo de direita (esse papão), mas depois de seis anos de politicas de "esquerda", estou farto, venha um governo de direita.


http://brigadascinzacoelho.blogspot.com/2011/03/um-fim-anunciado-queda-de-socrates.html
Sem imagem de perfil

De Lynce a 23.03.2011 às 23:55

Quanto ao Sócrates, é enviá-lo para a Líbia para assessor de Kadafi. 
Imagem de perfil

De tron a 24.03.2011 às 00:57

estou farto da república e se o governo for de esquerda e ainda por cima débil mental e fascista como este, ainda mais farto fico, venha alguém com sentido humano e sentido de estado; se tal não existir, que venha a monarquia pelo bem de todos e felicidade geral da nação
Sem imagem de perfil

De Cogitare em Saúde a 24.03.2011 às 01:18

O Eng. Sócrates sai e temos por isso um cenário de eleições antecipadas, que nesta altura coloca sem dúvida pressão acrescida sobre Portugal. Realizar estas eleições antecipadas custará ao país mais de 18 milhões de euros (LINK), incluindo ...tempos de antena, despesa com os membros das mesas de voto e os perto de oito milhões de euros de subvenção estatal para as campanhas. Mas tudo isto oportuno, pois a crise económica deverá estar muito longe, de acordo com a visão dos nossos politicos,certamente !!!


 


Pessoalmente, parece-nos que eleições antecipadas só não serão prejudiciais (ou até positivo), se pudéssemos antever um resultado final de Governo suportada em maioria absoluta! Mas melhor, melhor que todo este cenário seria ter-se conseguido um consenso sem recorrer a eleições, este sim seria o melhor sinal que o país poderia dar aos mercados Internacionais.


 


Por isso continuo a acreditar que se tivéssemos bons políticos teríamos o problema de Portugal resolvido criando um Governo de salvação nacional que incluísse praticamente todos aqueles partidos que defendem a democracia. Sem um acordo de regime não há solução, quer haja eleições ou não.


 

Fonte : http://cogitare.forumenfermagem.org/2011/03/eleicoes-antecipadas-gastemos-mais-18-milhoes/
Sem imagem de perfil

De Puritano a 24.03.2011 às 09:45

"O país não suporta mais aumentos de impostos".

O PSD no poder, admite aumentar o IVA.

Quanta razão teve o BE ao apresentar uma Moção de Censura aos dois mentirosos.
Sem imagem de perfil

De Lopes a 24.03.2011 às 10:09

Na minha opinião esta crise política chama a atenção para a necessidade de termos um PM licenciado...o que a julgar pela quantidade deles que vi juntos no dia 12 de Março, não me parece um critério demasiado apertado para o processo de recrutamento que o PR irá lançar em breve...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.03.2011 às 10:33

Esta treta de andarem sempre a dizer que a RTP deve ser privatizada já mete nojo. Apresentem outras propostas. Não foi pela RTP que o país chegou a este ponto. Acaso preferem mais lixo televisivo para o povo? Militante com as quotas em dia do PSD.
Sem imagem de perfil

De Francisco Matos a 24.03.2011 às 12:02

Ao contrário do que o meu colega Enfermeiro do post anterior referiu, prefiro "gastar" 18 milhões em eleições, do que perder dezenas de vezes esse valor em irresponsabilidade Socialista. Prefiro pagar 18 milhões, do que ver Comissões que se reunem uma vez para traduzir um texto, receber 210000 € em honorários. Prefiro pagar 18 milhões que ver TGV's a andar vazios. Prefiro pagar 18 milhões de euros, do que viver nesta ditadura travestida.

Comentar post


Pág. 1/2