Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Eyes Wide Shut

por Carlos Nunes Lopes, em 26.03.11

A Passos Coelho exige-se agora que salve o país da bancarrota, que reestruture a administração e reduza a sua despesa, que não aumente impostos e ainda que coloque Portugal a crescer.

A todas estas exigências, somam-se ainda outras:

- que Governe de olhos fechados, sem saber que dinheiro tem para fazer as reformas que todos os que Governaram nas últimas décadas entendem agora - e há muito tempo - como fundamentais;

- que Passos Coelho feche os olhos ao que pode ser a real situação das contas públicas porque todos consideram que não seria estranho se Sócrates e Teixeira dos Santos estivessem, há muito, a falsear as contas públicas e que Constâncio tivesse dado uma ajuda, ou que o INE tenha sido simpático com o Governo, ou mesmo que a Direcção-Geral do Tesouro tivesse dito ámen à tutela.

Pede-se ainda a Passos Coelho que Governe sem "estado de graça", porque o PS começou a "apontar o dedo" no dia em que mais uma vez virou as costas aos portugueses.

E, se o líder do PSD não fizer tudo isto - e bem - os socialistas ameaçam voltar na primeira oportunidade - como já tão bem fizeram no passado - para acabar como o que ainda resta erguido.

 

Segundo o Expresso apurou, Cavaco deu voz à preocupação (sua e das autoridades europeias) de que a descoberta de novos buracos nas contas ponham Portugal ainda mais em xeque, mas também a UE, que teria falhado pela segunda vez no acompanhamento de um Estado-membro. O pior cenário seria a repetição do que se passou na Grécia: a revelação de despesas escondidas e a evidência do falhanço dos mecanismos de controlo europeus. 
Para Passos — que tem dúvidas sobre o real estado das finanças — este travão em nome da salvação nacional pode significar a perda de um poderoso
trunfo eleitoral. Sobretudo quando se tratar de tomar medidas impopulares. Por outro lado, a enorme preocupação do PR com a delicadeza do momento deixou bem vincada a necessidade de uma campanha moderada, sem crispação excessiva que ponha em causa a possibilidade de futuros entendimentos.  
Do lado do Governo, a resposta é que as contas são auditadas pelo Banco de Portugal, INE e Direção-Geral do Tesouro. E o Banco de Portugal admite que seria dramático abrir esse dossiê, colocando-nos ao nível de países que falsearam as suas contas públicas, como a Grécia. O que está em causa é o ano em que terá de ser contabilizado o buraco do BPN e a necessidade de integrar a situação das empresas públicas, como o Eurostat prevê, mas isso não significa que as contas públicas portuguesas tenham sido falseadas, sublinha o banco central. (Expresso. Edição impressa)


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Almiro de Matos a 26.03.2011 às 16:09

Tenho-me habituado a ler o 31 da Armada. Pelo estilo tac-tac, lúcido e adequado, a exemplo do que fizémos em tempos no "República", quando o Álvaro Guerra dirigia o Suplemento Fim de Semana e ali se cultivava a liberdade de espírito que depois acabou mal.
 Queria dizer apenas isto: em Portugal, um líder que não seja um autocrata como Sócrates dá sempre com os burrinhos na água, tudo se lhe exige sem piedade. Os lusos gostam de sentir, ou não passam sem, uma mão forte no cachaço. Assim, já se perspectiva que Passos virá a ser estrafegado. Um povo que não se governa nem se deixa governar. A máquina de escaqueirar está bem montada pelos boys.
  Assim sendo, é bom que um espaço destes exista, ao menos para falar alto e claro. Contra o sádicos de pacotilha. E é muito!
Sem imagem de perfil

De tre a 26.03.2011 às 18:08

Terá razão, mas felizmente o dinheiro e eles é mais gastar dinheiro que propriamente pois governar.
Esta de desde o Cavaco até «à  Europa» todoa pensarem que há buracos mas que o melhor é não falar deles apenas dá razão a quem diz que vivemos numa era de fracos.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.






subscrever feeds