Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




sobre a lei da cópia privada

por Rodrigo Moita de Deus, em 19.01.12

A lei da cópia privada é aquela coisa que quer taxar os fabricantes de equipamentos de reprodução e armazenamento de multimédia para redistribuir o valor pelos autores e criadores. A Jonas não gostou do meu argumento sobre o assunto. Disse-me que esperava melhor e eu não gosto de desiludir as pessoas. Aqui fica um novo argumento. Dez novos argumentos.

 

Argumento vintage – A taxa já existe. É aplicada aos gravadores de cassetes. Deixar a lei como está seria injusto para com os milhões de consumidores que ouvem música em cassete.

 

Argumento “isso é uma margem de lucro no teu bolso ou estás feliz de me ver”  – os mesmos equipamentos são mais baratos em Espanha. Já com a taxa.  

 

Argumento “por favor guarda a tua margem de lucro só para ti” – a taxa não se aplica ao consumidor. Aplica-se ao fabricante.

 

Argumento ingénuo – o meu disco de 1tera serve para guardar documentos de word

 

Argumento mesmo muito ingénuo – os discos multimédia não servem para guardar conteúdos multimédia.

 

Argumento 25 de abril – o António Ferro nunca concordaria com este modelo. Ele seria sempre contra qualquer solução que impedisse o Estado de financiar diretamente toda a criação cultural.

 

Argumento Churchill – este modelo é o mais injusto dos modelos à exceção de todos os outros.

 

Argumento da troika – todos os países da europa têm este modelo de contribuição. Revoga-lo em Portugal criaria um fenómeno de concorrência ilegal na venda de equipamentos informáticos dentro da união europeia;

 

Argumento custo benefício  – nunca gastei tanta energia por causa de 5 centimos numa pen drive.   

 

A Jonas continuará na sua ativa campanha pela proteção dos fabricantes chineses de discos rígidos - essa importante indústria para a economia nacional. Eu entre os Gigas e as pessoas prefiro fazer campanha pela pessoas.  

E agora vou ali fazer o download do braveheart para o meu disco externo de 500 gigas e já volto.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De SC a 19.01.2012 às 16:19

Se o RMD não é maçon, qual a razão de usar uma ortografia que tem como única razão de ser os favores da maçonaria portuguesa à sua irmã brasileira?

Quanto aos outros que usam o português mutilado, é pena pensar a apetência que este país tem pela ditadura. E quanto mais absurda e ridícula as ordens que lhes dão, mais empenho põem em cumpri-las.
Imagem de perfil

De Rodrigo Moita de Deus a 19.01.2012 às 17:46

sou maçon por causa do novo acordo ortográfico? caramba...o país está cheio de maçons.
Sem imagem de perfil

De SC a 19.01.2012 às 18:58

A assembleia da república está cheia, parece que 80%. A partir de que percentagem se pode dizer que "aquilo está cheio de maçons"?
Parece que no governo também  está bem representada. Idem nos mass media e nalgumas universidades, onde impingem a ortografia - que foi criada por maçons.
No governo - no anterior, com o Magalhães da colunas - e no actual, a coisa também é evidente.
Não sei, acho que o termo é mesmo "cheio". Pelo menos nos lugares rendosos. Para eles, que para o país foi - e será -  a falência.
Por isso, acho mesmo que é maçon. E também percebo que se envergonhe disso e o queira esconder.

Comentar post