Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




três boas razões para apoiar a gabriela canavilhas

por Rodrigo Moita de Deus, em 19.01.12

1. Sou autor. Recebo direitos de autor. Os meus filhos vão receber esses direitos de autor. Quando chegarem à conclusão que ninguém tem de pagar a propriedade inteletual os meus filhos (são três) deixam de receber direitos de autor;

2. Portugal pode produzir sapatos baratos para exportar para a alemanha ou pode dedicar-se a outros setores de actividade com mais valia para o país e para os portugueses. Tecnologia, indústrias culturais e tudo o que é economia criativa. E só há economia criativa se a propriedade inteletual estiver protegida. Se compensar pensar. Quando preferimos proteger os gigas dos fabricantes chineses em vez de garantir que pensar é negócio estamos a ir para o caminho dos sapatos baratos;

3. Somos tão poucos a defender a Gabriela Canavilhas que há fortes possibilidades de ser convidado para jantar.  


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Joaquim Amado Lopes a 20.01.2012 às 01:02

O Rodrigo é uma pessoa inteligente portanto a sua defesa imbecil de uma proposta de Lei absurda deve ser... melhor, SÓ PODE SER ironia (embora referir-se aos seus filhos me faça temer que não seja).


Não tenho nada contra os autores receberem as compensações que considerem adequadas pelos conteúdos que produzem. Na realidade (e não sou autor), acho intelectualmente ofensiva a defesa da cópia livre de conteúdos que os respectivos autores não pretendem que seja livre e gostaria que as autoridades fossem muito mais activas e competentes na repressão das "cópias piratas".


Mas essa compensação só pode vir da venda desses conteúdos ao valor decidido pelo autor (ou por a quem este vendeu os direitos) e de eventuais indemnizações decididas pelos tribunais, devidas por terceiros que tenham produzido, distribuido ou consumido cópias não autorizadas.


Pretender ser "compensado" através de uma taxa que se aplica indiscriminadamente a todos os que adquirem equipamentos e/ou consumíveis que lhes permitirão fazer cópias dos conteúdos que o Rodrigo produza mesmo que esses consumidores nunca tenham tido qualquer contacto com esses conteúdos é inaceitável.


A Gabriela Canavilhas até poderá ser uma MILF (quem não esteja familiarizado com este acrónimo é só "googlar") com quem o Rodrigo queira jantar mas uma mulher, por muito atraente que seja, capaz de idealizar tamanha barbaridade não merece mais atenção do que a estritamente necessária para lhe dar um valente par de tabefes nas fuças.
Se este Lei fôr aprovada, é mesmo isso que todos os consumidores deste tipo de produtos devem fazer a todos os deputados que votem a favor.

Comentar post