Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Que a UMAR, depois de advogar a causa do aborto, resolveu abraçar a causa da natalidade;

Que a cidade de Lisboa está deserta;

Que não nascem crianças suficientes em Portugal;

Que gastámos milhões e milhões de euros em reformulações idiotas;

Que o Estado gasta mais dinheiro com a terceira idade que com a primeira idade;

Que não nascem crianças suficientes em Portugal;

Que os acordos da ADSE com o sistema privado acabaram com o SNS;

Que os portugueses preferem o conforto da CUF à excelência da MAC;

Que não nascem crianças suficientes em Portugal;

Que tecnicamente é preferível uma maternidade dentro de um hospital com o maior número de especialidades que uma maternidade isolada;

Que não nascem crianças suficientes em Portugal;

Que Lisboa está deserta;

 

um abraço,


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Respúbica a 11.04.2012 às 15:02

Passos Coelho descobriu um destino a dar aos serviços públicos de excelência, divide-os em bocados pequenos e usa estes para os inocular nos outros serviços que apresentem problemas de qualidade, isto é, usa-os num processo de inseminação artificial com vista à sua clonagem.
  
Esta é a teoria do Passos Coelho que entende que os portugueses são idiotas, a realidade é outra, ao desmembrar os serviços de excelência está a destruí-los e a promover a competitividade dos serviços privados. Ao encerrar a Maternidade Alfredo da Costa o governo está a promover o negócio das maternidades privadas que em tempos já floresceu em Lisboa. Só que a partir de determinada altura a classe média e os mais endinheirados percebeu que era melhor esquecer a criadagem dos hospitais privados e apostar na qualidade dos públicos, o negócio privado caiu.

Comentar post