Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




não acham estranho?

por Vítor Cunha, em 11.04.12

A máquina por vezes produz monstros. Uma mentira repetida transmuta-se com facilidade.

 

Não acham estranho que duas pessoas respeitáveis, como Maria de Lurdes Rodrigues e Isabel Alçada, garantam que não houve derrapagens na Parque Escolar? E se têm razão? E se o Tribunal de Contas (mais uma vez) tivesse ajuizado mal? E se o Tribunal de Contas se tivesse limitado a fazer uma interpretação pouco rigorosa dos factos? 

 

Quem guarda o guardião?

 

Não sou um leitor apaixonado das decisões do TC. Mas já vi monstruosidades concluídas por técnicos incompetentes a darem origem a muita malfeitoria. Fica a hipótese.

 


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De José Rocha a 11.04.2012 às 15:42

Só entendendo as suas palavras como ironia a sua opinião faz sentido! É que as derrapagens não são opiniões das entidades fiscalizadores, são factos, números! Tal como as escolas que podem ser visitadas e onde será possível verificar verdadeiras parvoíces como, por exemplo, em Matosinhos e Leça da Palmeira (zonas muito ventosas) terem os blackouts eléctricos (que luxo!) e em tela, a funcionarem no exterior das janelas, estando numa dessas escolas vários estragados ao fim de poucos meses de actividade. 
E quanto à respeitabilidade das duas ex-ministras, pouco contará. São parte interessada (e de que maneira!) nos excessos que Portugal não podia comportar. E as suas declarações só lhes retiram respeitabilidade, pois esta é proporcional à responsabilidade que demonstraram não ter desrespeitando a lei e a obrigação de serem parcimoniosos nos gastos de dinheiros que não são seus, mas sim do Povo.
Sem imagem de perfil

De Antónimo a 11.04.2012 às 16:44

O PP, teve cá uma parcimónia a empachar o caso dos submarinos....

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





subscrever feeds