Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




uma pausa na justiça de jacinto leite capelo

por Alexandre Borges, em 13.04.12

- Otelo disse que os militares deviam fazer um golpe de Estado;

- Alguém apresentou uma queixa-crime contra Otelo;

- O Ministério Público arquivou-a considerando que as declarações de Otelo não eram suficientes para "ameaçar os bens jurídicos protegidos da paz pública e da estabilidade do Estado constitucional".

 

Diga-se o que se disser, isto é só a democracia a funcionar. Como não acontece todos os dias, seria ingrato não o dizer.


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Respúbica a 13.04.2012 às 14:54

O que tu queres sei eu !  Image
Sem imagem de perfil

De Algarve a 13.04.2012 às 18:28

Sempre os militares...desta vez devia ser o povo a apoderar-se dos carros de combate(carros de combate a serio,M60,M113,etc,nada daqueles com rodas que são bons para ir á caça e pouco mais) e fazermos uma revolução.
Sem imagem de perfil

De silva a 14.04.2012 às 00:00

Ainda têm a lata de dizer que este processo pode ser ganho por mais de 50%.
Eles estão a pedir o que é seus direitos! Querem trabalhar! Querem o posto de trabalho que tão duramente mantiveram. O Estado deveria supervisionar estes processos, porque quem despede nesta circunstâncias usa as mais diversas clivagens para contornar a lei. Afinal, não será mais dispendioso para o erário público pagar subsídios de desemprego a estas pessoas?
Quem com responsabilidades, governativas e jurídicas está por detrás deste despedimento ilegal, que leva o estado a suportar o subsídio destes 112 trabalhadores.”
Farto de ver esta veemente denúncia, aqui já exposta aos Srs. Deputados. Esta mensagem via email, por parte de trabalhadores que foram despedidos sem apelo nem agravo do Casino do Estoril, mostra bem o que significa as leis laborais: letra morta, a falta de cumprimento das próprias leis do sistema.
Esta denúncia também demonstra que sem a determinação na luta contra as políticas reaccionárias do governo, estas situações propagam-se como faúlhas. Por isso façamos, explorados, em contrapartida que o combate contra o grande capital se intensifique, alastrando como o fogo numa floresta.
“Nestas condições não constituirá um escândalo e uma imoralidade proceder-se à destruição da expectativa de vida de tanta gente? Para mais quando a média de idades das mulheres e homens despedidos se situa nos 49,7 anos?
Infelizmente, a notícia de mais um despedimento colectivo tem-se vindo a tornar no nosso país numa situação de banalidade, à qual os órgãos de comunicação social atribuem cada vez menos relevância, deixando por isso escondidos os verdadeiros dramas humanos que sempre estão associados à perda do ganha-pão de um homem, de uma mulher ou de uma família.
Mas, para além do quase silêncio da comunicação social, o que mais choca os cidadãos atingidos por este flagelo é a impassibilidade do Estado a quem compete, através dos organismos criados para o efeito, vigiar e fazer cumprir os imperativos Constitucionais e legais de protecção ao emprego.
E o que mais choca ainda é a própria participação do Estado, quer por omissão do cumprimento de deveres quer, sobretudo, por cumplicidade activa no cometimento de actos que objectivamente favorecem o despedimento de trabalhadores.
Referimo-nos, Senhores Deputados da República, à impassibilidade de organismos como a ACT-Autoridade para as Condições do Trabalho e DGERT (serviço específico do Ministério do Trabalho) que, solicitados a fiscalizar as condições substantivas do despedimento, nada fizeram mediante as provas que presenciaram.
Não gosto de ver o caos em que puseram este país, por irresponsabilidade, por falta de respeito, pelo cidadão nos casos da justiça que a civilização criou como valores para a igualdade.
Muitas das vezes, os nossos governantes não têm a capacidade de perceber para onde nos estão a conduzir ou não têm a coragem de assumir. Isso custa-me, porque há vítimas que estão a sofrer imenso.
Por má gestão, por causa de carreiras meteóricas.
Não posso deixar de condenar, todo o governante ou político, que pôs o seu trajecto individual e social acima do trajecto colectivo.
Podem não se importar com as palavras, mas o certo é que não deixa de ser egoísmo, egocentrismo, quase tirania.

 
Sem imagem de perfil

De andre a 14.04.2012 às 23:42

 Um país em derrocada. Um partido que se diz de direita (e afinal é uma corja de oportunistas) que acaba com o 1º de Dezembro, dia da restauração. Um país de delatores e de colaboracionistas, muitos por omissão. 

Comentar post