Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Obama leva vantagem na frente externa

por Nuno Gouveia, em 15.04.12

Se em termos da economia a situação de Obama é periclitante, o que aliás tem sido confirmado pelas sondagens, na política externa o Presidente teve um mandato que lhe trouxe algumas vitórias. E apesar de alguns ataques republicanos, não será nesta área (a menos que suceda uma grave crise até Novembro), que Obama vai ter dificuldades nos debates. Os americanos estão confortáveis com a política externa da Administração Obama. Nestes três anos obteve grandes vitórias na luta contra o terrorismo. Além da morte de Osama Bin Laden, os serviços de inteligência americanos têm eliminado muitos terroristas e a Al-Qaeda está cada vez mais enfraquecida. A retirada do Iraque, cumprindo uma promessa de campanha, ofereceu a Obama mais uns pontos positivos. A intervenção na Líbia, que foi uma operação que não suscitou grande adesão nos Estados Unidos, acabou por ser mais uma conquista, pois eliminou um inimigo de décadas sem que tivesse havido perda de vidas americanas no conflito. Os grandes desafios da Administração Obama – como o Irão, a Médio Oriente e Afeganistão- permanecem sem grandes avanços. Mas também aqui Obama tem alguma margem de manobra, pois os republicanos não têm apresentado, até ao momento, grandes soluções alternativas. A retórica utilizada por Mitt Romney nestes temas tem sido mais agressiva, mas isso é natural em período eleitoral. E, como Obama também não mudou muito em relação a George W. Bush na política externa, o mesmo não se espera que aconteça em caso de uma possível vitória de Romney. Se Obama obteve uma grande vitória neste mandato foi precisamente recuperar algum do atraso estrutural que o Partido Democrata sempre teve aos olhos dos americanos em assuntos como a segurança nacional e a política externa. Por isso, e repito, a menos que aconteça alguma grave crise, a política externa não será grande tema de debate na campanha deste ano. Economia, emprego, défice, impostos e dívida deverão ser as palavras mais referidas por Obama e Romney.