Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Califórnia como reflexo do futuro

por Nuno Gouveia, em 27.04.12

Um dos principais temas da campanha americana será precisamente o papel que o estado deve desempenhar na sociedade e na economia. Vai ser aí que Obama e Romney vão centrar os seus discursos, sabendo à priori que o estado federal está prestes a falir, em virtude dos défices exagerados e da dívida  acumulada nos últimos anos. Com o crescimento previsível nas despesas sociais, como na Segurança Social e nos programas de saúde Medicare e Medicaid, os Estados Unidos no final da década estarão numa situação idêntica à dos países do Sul da Europa, onde infelizmente incluímos Portugal. Mas não é preciso perspectivar muito do que poderá acontecer se os Estados Unidos prosseguirem o caminho preconizado pela Administração Obama, que aumentou mais em três anos a dívida pública do que o também despesista George W. Bush em oito anos. Consideremos a Califórnia. 

 

A Califórnia, que apesar do vigor de Sillicon Valey e de empresas como a Google, Facebook ou Apple, encontra-se numa situação de pré-falência e decadência acelerada. As políticas progressistas, que engordaram o estado, distribuíram milhões de dólares pela dita "economia verde" e colocaram barreiras inconcebíveis às empresas,  empurraram o estado para o declínio. Pela primeira vez desde que está na União, a Califórnia tem vindo a perder população para estados com economias mais vibrantes, como o Texas, o Arizona ou o Utah, e na última década a criação de emprego estagnou e a pobreza aumentou. Segundo este artigo de Joel Kotkin, são cada vez mais os californianos que vivem sem pagar impostos e que estão dependentes dos programas sociais e do Medicaid (programa federal de apoio na saúde aos mais desfavorecidos). A taxa de desemprego é a terceira mais elevada do país. O estado que cresceu, demograficamente e economicamente, mais nos últimos 100 anos está em total declínio. E como isso foi possível? Seguindo uma receita falhada e que Obama persiste em estender a toda a América. Se os americanos quiserem saber como será o futuro este presidente? Que olhem para a Califórnia.