Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




antes que me corram do blog fico por aqui

por Rodrigo Moita de Deus, em 22.05.12

Eu gosto do Sérgio Lavos.

E digo-vos que é importante ler o Sérgio Lavos.

Verdade. Tem pouca lisura na pena. Mas compensa na força das convicções o que lhe falta em retidão argumentativa. E eu gosto do Sérgio Lavos.

Verdade. Tem excessiva queda para o adjetivo zoológico. Mas compensa a escassez semântica com o colorido das figuras de estilo. E eu gosto do Sérgio Lavos.

Verdade. Tem pouca velocidade no argumento. E alguma falta de agilidade na resposta. Mas compensa em intransigência o que lhe falta em retórica. E eu gosto do Sérgio Lavos.  

O Sérgio Lavos prefere escrever a ler. Falar a ouvir. Mas compensa em rigidez o que lhe falta em cintura. E eu gosto do Sérgio Lavos.

Sérgio Lavos é como é. É quem é. Sem pretensões, presunções ou ambições. Goste quem gostar. Não goste quem não gostar. É legítimo que não se peça mais do que isso.

Eu gosto do Sérgio Lavos. O Sérgio Lavos é que não gosta de mim.


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Barão de Lavos a 23.05.2012 às 00:01

A moita sendo um vegetal prima pelaa ausência de uma coluna vertebral e não tendo rede sensorial não tem o mínimo sentido de decoro, de resto a decoração do blogui é minimalista à farta e tem o mau gosto duma quinta de brasileiro
Se decidiu dedicar-se a jogos florais é porque é primavera suponho agora dizer que se dedica uma moita a outras brincadeiras de criança além de pater na lista e suponho que a encanecida personalidade virtual ache que deve podar a dita moita porque a vê a brincar como uma creança, aparentemente a moita de deus é uma trífide e o apocalipse está ao virar da esquina

Compreendo: é a vidinha dos velhotes que se sentem ameaçados pelas moitas infantis, contra ela (a inveja do velho caduco e impotente ou do prematuro envelhecido por uma vida de excessos) não há "gritos de liberdade" que resistam (aparentemente os gritos também resistem a qualquer coisa)

é a síndrome do binte e cinque de avril e do primeiro de maiô reunides num só

pois um barão de lavos é um barão de lavos

uma moita de deus é uma moita nã adeveria escrever
inté porque é repetitiva pró caraças

Comentar post