Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A quem possa interessar

por Francisco Mendes da Silva, em 02.05.07

 

O debate Sarko-Ségo que a TV5 Monde acaba de transmitir foi, antes de mais, a confirmação de uma improbabilidade. A improbabilidade de um candidato, estruturalmente de direita, desenvolver um programa e um discurso vincadamente de direita - e, no que à França diz respeito, uma proposta de ruptura a todos os títulos excepcional - e com isso benficiar de uma votação vitoriosa de proporções históricas.

 

Goste-se ou não da personagem, concorde-se ou não com as suas ideias, a verdade é que Sarkozy está a fazer o que quase pensávamos impossível na velha e decadente Europa: ganhar eleições com uma retórica que desafia o consenso ideológico politicamente correcto socialista/social-democrata, falando da reforma do estado social, da inevitabilidade do liberalismo, reabilitando noções democráticas de autoridade e não tendo medo do confronto ideológico com a situação soixante-huitard. 

 

A sua (esperada) vitória deveria entusiasmar, não só a direita, mas todos os que gostam da política essencialmente como processo de debate incisivo entre ideias e mundividências opostas.   


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Imagem de perfil

De Henrique Burnay a 03.05.2007 às 11:54

Não vi o debate, mas quanto ao conceito, concordo inteiramente com o FMS. Sarkozy é uma improbabilidade na política francesa - aliás, é isso que me faz ter dúvidas quanto à vitória. É que se ganhar isso significa que a França já não é como a imaginamos, que percebeu que o mundo mudou e está disposta a mudar de vida. Ruído à parte, isso é o mais importante.

Comentar post