Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Montes Claros, 17 de Junho de 1665

por João Ferreira do Amaral, em 15.06.12

Passam no próximo domingo 347 anos sobre um dos mais gloriosos dias da nossa História: Aquele em que teve lugar a maior e decisiva batalha da guerra de restauração da independência de Portugal – a batalha de Montes Claros.

 

Numa altura em que os Portugueses se sentem angustiados e menos crentes no seu futuro colectivo, vale bem a pena aproveitarem a efeméride para visitar o monumento evocativo no local da batalha, perto de Borba, admirarem a magnífica paisagem e homenagearem a forma valorosa como os nossos antepassados enfrentaram e ultrapassaram contrariedades incomparavelmente maiores do que aquelas que hoje vivemos.

 

A 7 Junho de 1665, o exército  espanhol de 22500 homens e 14 peças de artilharia sob comando do experiente Conde de Caracena entra em Portugal por Badajoz. Depois de tomar a vila de Borba tentou sem êxito assaltar Vila Viçosa que resistiu totalmente cercada. Entretanto, o exército português composto por 20500 homens reunidos em Estremoz partiu em auxílio da vila sitiada, sob o comando do grande Marquês de Marialva e do Conde de Schomberg.

 

Eram cerca das 9 da manhã do dia 17 de Junho quando os dois exércitos se encontraram frente-a-frente em Montes Claros, passagem entre a Serra da Vigária e a Serra de Ossa, perto de Rio de Moinhos. Caracena tentou surpreender os portugueses ainda em marcha mas Schomberg reagiu prontamente. A batalha foi extremamente dura e renhida, tendo pendido algumas vezes para o lado espanhol. Ao fim de 9 horas de incessante combate, a bravura das tropas portuguesas superiormente comandadas levou a melhor e desbaratou o exército inimigo que se retirou, deixando para trás as peças de artilharia e milhares de prisioneiros.

 

Depois das batalhas de Montijo, Arronches, Elvas, Ameixial e Castelo Rodrigo, a vitória de Montes Claros foi retumbante e decisiva. Em 1668, ao fim de 28 anos terminava a guerra da restauração com a assinatura do tratado de paz em Lisboa, pelo qual a Espanha reconhecia definitivamente a independência do Reino de Portugal.


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De em 1666 ao fim de 26 anos de IRS pagos a 16.06.2012 às 18:41

D.João IV já se tinha ido com funeral a expensas da maralha nazionale

e os colonatos dos gregos com ella

e dois anos depoya que fazere a pax em 666 ficava mal viste

o pessoal decidiu fazer partilhas das dívidas da coroa

os do Barcelona e do Real Madrid cuidaram de ficar bem endividados

e os clubes do Alemtejo que jogaram nos seus campos ficaram com os campos da taça ibérica em frangalhos até chegarem ao Eurro 2004
em qu'el Rey Carlos de Cognomine o da Pia Cruz condes
cendeu dar um para eles jogarem lá para o reyno dos all garves...e assis foy

Comentar post