Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Muito menos o próprio

por Francisco Mendes da Silva, em 03.07.12

John Major, sucedendo a Margaret Thatcher, foi Primeiro-Ministro do Reino Unido da Grã-Bretanha e da Irlanda do Norte, chefe do governo de Sua Majestade. Não tinha licenciatura. Ninguém achou que precisava de uma para exercer o seu cargo, ninguém lha exigiu, ninguém o achou diminuído. Muito menos o próprio.


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De p D s a 03.07.2012 às 19:26

Francisco, eu sei que é um bocado rebuscado e dificil, mas ainda assim vou tentar explicar...e tenho esperança que entenda:

O problema não é o "ter" ou "não ter licenciatura".
O problema são as fraudes e trafulhices que fazem, e que pretendem passem despercebidas.

Numa era onde se apela constantemente para a importancia da competencia/produtividade, da formação continua e afins, tudo isto são exemplos demonstrativos da "coltora" das nossas elites decisoras.

Ou seja, ninguem no Reino Unido achou importante a licenciatura...mas pode ter a certeza que fraudes e trafulhices nos politicos não são toleradas e são levadas a serio pela cultura e cidadania britanica.
Sem imagem de perfil

De dfg a 04.07.2012 às 23:55

Uma destas em Inglaterra e o ministro estava demitido em minutos (poucos).
Aqui seriam desnecessárias (e contraproducentes) estas manobras de areia na cara dos outros que apenas realçam o facto de que o primeiro-ministro tem graves problemas de liderança e está a deixar fugir eleitorado que não está para admitir farsas destas.
Sem imagem de perfil

De Pedro Almeida a 03.07.2012 às 19:47

No Reino Unido um Relvas nunca chegaria a ministro.
Aquilo é outro planeta, a sério, não vá por aí.
Sem imagem de perfil

De Restaurantes em Brasilia a 03.07.2012 às 20:12

O Nosso ex-primeiro ministro (o socas), também não achava... :)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.07.2012 às 20:33

imagino que para este conjunto de funcionários e assessores do governo não seja fácil confrontarem os seus chefes com as pulhices que identificavam (justamente) no anterior governo
Sem imagem de perfil

De Atento a tudo a 03.07.2012 às 20:41

O mais lamentável Francisco é que tenham galgado o assunto quando foi a licenciatura do Sócrates, ironizando e brincando. E esse FairPlay meu caro? Quem com ferros mata...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.07.2012 às 21:13

Também não tentou enganar os ingleses dizendo que era sr. doutor.
Sem imagem de perfil

De Rui Ratão a 03.07.2012 às 23:07

Ó rapazote, a questão não é ter ou não curso; é a forma como o obteve.

Tu sabes disso, mas, como és íntegro, fazes de conta que não percebes.

Meteis-me nojo!
Sem imagem de perfil

De Wiliam Wallace a 03.07.2012 às 23:12

Se uma licenciatura fosse sinónimo de competência , idoniedade e honestidade, Portugal não estava na Lama!

Trocais os ideais mais depressa do que as bandeiras , tristes fachos e monárquicos sem coluna vertebral!
Imagem de perfil

De Francisco Mendes da Silva a 03.07.2012 às 23:52

Que parte do post é que não perceberam? O título? A última frase?
http://31daarmada.blogs.sapo.pt/5624967.html
É mais fácil chamar "facho" e dizer que meto "nojo" do que puxar pelos neurónios, não é?
Sem imagem de perfil

De Nuno a 04.07.2012 às 00:52

Essa aí ainda é capaz de fazer valer a mesada, com dedicatória especial do querido Relvas.

Comentar post


Pág. 1/2