Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




mais ou menos sobre a Madeira

por Rodrigo Moita de Deus, em 25.07.12

Entre bombeiros, equipamento, meios aéreos e área destruída, cada incêndio custa uma fortuna. O sistema está montado ao contrário. Quanto mais arde mais se gasta, maior o investimento. Há toda uma indústria que depende dos incêndios. E se em vez do estado remunerar o hectare ardido começasse a remunerar os hectares que não ardem? Que é como quem diz: vamos pagar para não haver incêndios em vez de pagarmos por incêndio.


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De a cavaca nunca fez emparcelamento nem a 25.07.2012 às 14:59

cadastrou a floresta portuguesa

talvez por ser uma silva....

as estevas gostam é de mato..

de resto a reprodução do pinhal depende do fogo

as pinhas abrem depois do fogo passar por elas

já os sobreiros a cortiça protege o líber de queimaduras fatais

basta deixá-los bem encortiçados

é como a impunidade política quanto maior é menos se queima
Sem imagem de perfil

De Algarve a 25.07.2012 às 15:47

Nunca estiveste fora de Lisboa pois não?As pinhas abrem com o fogo?Os sobreiros teem um "fato contra o fogo"?Ardeu uma mata de pinheiros que era para urbanizar junto á universidade á mais de 10 anos e ainda não cresceu nenhum pinheiro.Ao lado do incendio em Sao Bras permanecem os restos dos sobreiros dos incendios anteriores.O PS se tivesse ganho as eleições em Faro tinha feito mais uma "Quinta do Lago" onde ardeu.Não foi por acaso que aquele incendio demorou mais de uma semana a apagar e quem o apagou realmente,por estranho que pareça e talvez caso unico,foi os bombeiros do aeroporto de Faro.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





subscrever feeds