Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Eu que não sou de intrigas

por Rodrigo Moita de Deus, em 26.08.12

Alguém sabe definir "serviço público de televisão"?

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Anonymus a 26.08.2012 às 14:13

Sr. Moita:

O conceito de serviço público de televisão está há muito definido, servindo de guia aos poderes públicos dos países que têm televisões públicas e está razoavelmente divulgado.
Se quer saber o que é procure e leia.
Se calhar a sua dificuldade é essa, ler.
Se conseguir ler e depois não concordar com o conceito isso é outra coisa.
Proponha outro conceito ou a pura e simples eliminação deste conceito.
É um direito que lhe assiste.
Agora fazer figura de ignorante apenas para marcar uma posição contra é desnecessário.

Sem imagem de perfil

De Aldino Peres a 27.08.2012 às 03:52

Gostei da resposta. Só é pena, apesar da verticalidade demonstrada na resposta, o "anónimo" não se identificar pelo nome. Calma que o super espião, o tal que está indiciado de pelo menos dois crimes, foi colocado pelo Passos Coelho no Conselho de Ministros(?).
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.08.2012 às 15:25

Não. Ninguém sabe... É uma daquelas intrigas intrigantes...
Sem imagem de perfil

De Serviço é o canal playboy para os velhos a 28.08.2012 às 02:49

E o jorge gabriel para as velhotas e pessoal do norte que gosta de arriar nos mouros do deserto, mas no fundo, no fundo é muito, muito machão.
Futebol a rodos, natal dos hospitais, festval da canção, hermano saraiva, se bem me lembro uma missa de tempos a tempos, ou a fé dos homens sem fé.
E Zig Zag aos montes para as crianças que conseguem aturar o 2º canal, ou que estão em lares de reinserção social.
Sem imagem de perfil

De Vamos acabar com a mama! a 26.08.2012 às 17:23

"Serviço público de televisão", não é certamente pagar dezenas de milhares de euros por mês, a "pivots" de qualidade mediocre, em programas de baixíssimo valor cultural, ou até mesmo lúdico.
Sem imagem de perfil

De Fascista a 28.08.2012 às 02:57

Chamar medíocre ao futuro prémio Nobel dos livros de 600 páginas?
Tomarem os americanos terem autores deste calibre.
O nosso José Eduardo dos Santos da literatura televisiva é muito superior ao Murakami ou a qualquer dos Lobos com Antunes ou sem e quase chega aos pés da laureada Maria Roma ou às ancas da Clara, Pinto? Pinta.
Milhares de euros por mês, só?
Gente que mantem a velharia viva com o seu sorriso?
É uma ninharia.
Salvam mais do que o SNS junto.
Sem a RTP tinham de aturar a Júlia Pinheiro ou pior que isso a Fátima o dia todo.
Era mortal, assim têm variedade.
Sem imagem de perfil

De Tone a 26.08.2012 às 21:15

Serviço público de televisão corresponde ao pagamento de uma taxa de audiovisual incluída na factura de um bem básico, uma cópia bem mais reles e baixa que as cadernetas de cartões perfurados do tempo do Tone de Sta. Comba.
Sem imagem de perfil

De António de Oliveira Salazar a 28.08.2012 às 02:59

Mentiroso, os cartões só aparecem em 69, já eu tinha caído da cadeira, no meu tempo era por cupões.
As cadernetas vieram com o Marcelismo, esse Trotsky do endireita.
Sem imagem de perfil

De p D s a 27.08.2012 às 10:35

Não sabes Rodrigo ?

Epá, é só leres o Relatório/Estudo que o Relvas mandou fazer:

http://static.publico.pt/docs/media/relatorioGTCS_141111.pdf


andas distraido !!!

Comentar post