Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A maçonaria portuguesa sobreviveu à inquisição, à "viradeira", ao miguelismo, à bula In Eminenti Apostolatus Specula, ao Estado Novo e, até, a ter o grão-mestre presidente da SLN.

 

Mas, agora, apareceu-lhe o copy/paste.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De c. a 31.08.2012 às 21:08

Aahaahahahahhaha
Com uma anotação: sobreviveu ao Estado Novo? Durante anos teve o Chefe de Estado. simplesmente não legislava, como agora, nem impunha acordos ortográficos.
Sem imagem de perfil

De teixeira a 31.08.2012 às 22:06

Também a máfia pode dizer o mesmo nos países onde se instala.
Sem imagem de perfil

De agente queria era a lista a 01.09.2012 às 01:16

os maçons da RTPê agente já sabe quem são
que alguns já lá andam há 55 anos...

agora a lista fazia falta

que a lista da máfia isso toda a gente sabe
mas a gente jura que nem morto a diz
tamém nã precisa né

Sem imagem de perfil

De dfg a 01.09.2012 às 19:55

Às vezes até acumulam: mafiosos e maçons. Veja a loja P2 em Itália.
Sem imagem de perfil

De Algarve a 31.08.2012 às 22:40

Só admitem comentarios da Vera Pereira?eheh
Sem imagem de perfil

De bolas não era só o norton de matos? a 01.09.2012 às 00:14

o cabeça de abóbora também era maçon?
Sem imagem de perfil

De Vera Pereira a 01.09.2012 às 12:52

Agora, no "Estado a que Chegámos"... a Maçonaria já poderia bem era ir bardamerda!
Sem imagem de perfil

De Chegámos? mas isto ainda Anda? a 01.09.2012 às 17:26

pensava que só os massons tinham subsídio de deslocação

pelo menos continuam a ter séries do nacional-porreirismo para pagarem as férias e a féria aos pouco evoluídos do seu gosto...
Imagem de perfil

De João Távora a 01.09.2012 às 22:06

Portugal merecia um partido democrático livre de maçons. Uma questão estética, coisa de somenos importância, claro.

Abraço
Sem imagem de perfil

De ghj a 02.09.2012 às 03:49

A coisa podia começar pelo CDS.
E, já agora, pela entourage do Duque de Bragança.
Imagem de perfil

De João Távora a 02.09.2012 às 14:23

É desejável a confluência de diferentes "facções" e "tendências" à volta da Casa Real portuguesa a quem cabe representar a Nação no seu todo.
Tal já me parece uma aberração num partido político, que deverá defender com coerência a "parte" que representa.

Comentar post