Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Nova temporada da Casa dos Segredos

por Sofia Bragança Buchholz, em 19.09.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:


comentários

Sem imagem de perfil

De A. Santos a 19.09.2012 às 23:12

RETIRADO DO BLOG: Machina Speculatrix

«Entraram ontem em vigor as alterações ao trânsito na rotunda do Marquês de Pombal, em Lisboa (regime experimental). Há vários aspectos do folclore associado que merecem ser analisados por quem se interesse pelo funcionamento das nossas sociedades.
Desde logo, mexer nos hábitos e rotinas é muito complicado: nós não somos máquinas de calcular, não computamos com uma racionalidade furiosa os prós e os contras de cada uma das alternativas de comportamento que se nos apresentam a cada momento, a maior parte do tempo fazemos aquilo a que estamos habituados. E ainda bem: seguimos hábitos e rotinas para deixar o nosso "pensamento" dedicar-se a outras coisas. É essa a principal razão para estas mudanças em aspectos rotinados da nossa vida comum serem difíceis de entrar em funcionamento.
Prever as dificuldades práticas de tal adaptação é difícil. A Câmara de Lisboa, mesmo tendo passado meses a estudar a alteração, não previu, por exemplo, que as pessoas teriam tendência a ir pela rotunda exterior, mais lenta, mesmo que fossem para os principais destinos, servidos pela rotunda central, porque achavam estar assim a proceder com mais cautela. Mesmo sendo difícil prever, até com aturado estudo, há sempre quem tenha sentenças a ditar desde o primeiro minuto: ouçam-se as declarações dos sábios do costume, ao volante da sua viatura, antevendo novo terramoto em consequência de um esquema que, dizem, está fadado a fracassar. É assim: há sempre quem tenha visões miraculosas, instantâneas e precisas, de tudo e mais alguma coisa ao cimo da Terra; há sempre quem suponha saber tudo do mundo, de todos os recantos do mundo, em todas as especialidades e sub-especialidades. (Como aquele pescador, ontem no Prós e Contras, que criticava que, onde antes estava a escola de pesca, estivesse agora a Fundação Champalimaud, que, dizia ele, toda a gente sabe que não serve para nada. Sem que ninguém, excepto o tímido esboço de protesto da apresentadora, lhe sugerisse que não confundisse o mundo com o redondo da sua barriga e lhe pedisse para não expandir a arrogãncia opinativa para lá da fronteira do ridículo.) Mas estas mudanças são sempre pasto para o "achismo", onde toda a gente, quanto menos estudou o assunto mais se acha dotado de saber prático para achar isto e aquilo.
Finalmente, falo por mim: somos frequentemente preguiçosos e deixamos para depois o que se podia fazer antes. É verdade que, praticamente não usando carro em Lisboa, como conduzir no Marquês é assunto que não me toca muito. Mesmo assim, só ontem, perante a constatação do caos, voltei a olhar para os esquemas explicativos para perceber o essencial: vamos pela rotunda interna para os três grandes destinos ali servidos, vamos pela rotunda externa para os demais. O resto virá da experiência, quando lá tiver de passar. Não custava nada ter pensado nisso há mais tempo...
Convicção minha: António Costa, pragmático e focado nos resultados, vai levar mais esta alteração a bom termo, continuando assim o trabalho de formiga, que tem melhorado muita coisa com contenção de custos e com intervenções que parecem localizadas mas, realmente, mostram um conhecimento do quotidiano concreto das pessoas e uma atenção às pequenas coisas da qualidade de vida. »
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 20.09.2012 às 10:13

"vamos pela rotunda interna para os três grandes destinos ali servidos, vamos pela rotunda externa para os demais."

Básico. Qualquer criança aprende isto. Parece que custa muito a perceber a certos lisboetas adultos. Os criticos cairam numa armadilha: de tanto quererem criticar o Costa, faça ele o que fizer, arriscam-se a passar por inaptos e parvinhos. Quem quer simplesmente ir à sua vida, sem estas tricas, toma atenção às instruções, vê as placas, e vai à sua vida. O problema é que são atrapalhados pelos azelhas que seguramente ainda andam às voltas na rotunda, sem conseguir sair ;). Eles é que dizem... Não aprenderam quando tiraram a carta, que se têm de seguir as placas com indicações? Pois as indicações podem mudar. Quem não se consegue adaptar, vai para o campo. Circular numa grande cidade é coisa que exige prática e muita arte. É preciso ter unhas, por isso é que acho isso tudo ridiculo. Muitos daqui, dava-lhes um ataque de pânico se tivessem de circular em Paris, cidade onde vivi 15 anos, e que deve ter os condutores mais desenrascados do mundo, sem estas frescurinhas.

Comentar post