Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Provocações alarves

por João Ferreira do Amaral, em 20.09.12

Não sei se Gibraltar é território espanhol ou britânico, nem se a YPF é da Repsol ou do governo Argentino, nem sequer se os impostos catalães devem ser retidos ou distribuidos pela Espanha. Não sei nem me interessa.

Mas sei que é uma provocação alarve dizer que a Igreja de Santa Madalena de Olivença é um "recanto espanhol".

Nao voto na brincadeira nem ponho uma gota de combustível Repsol no meu carro.


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De J. Freire de Andrade a 20.09.2012 às 23:10

A este propósito, dei parte da minha indignação no meu blog "Será que os anjos têm sexo?":

Não pertenço ao Grupo dos Amigos de Olivença, mas gosto de ser rigoroso (embora nem sempre o consiga) e aprecio quando os outros são rigorosos, e dizer que a Igreja de Santa Maria Madalena, em Olivença, se encontra em "território espanhol", como afirmou hoje no noticiários da TVI a jornalista Judite de Sousa é pura e simplesmente uma afirmação não rigorosa. A TVI insiste na falta de rigor ao afirmar no seu sítio na net que "está localizada na, atualmente, espanhola Olivença". Portugal nunca reconheceu, após o Congresso de Viena de 1815, a soberania espanhola sobre Olivença, portanto não concordamos que seja território espanhol, apesar de Espanha, que subscreveu as conclusões do Congresso em 1817, nunca nos ter devolvido o território. Se Judite de Sousa tivesse olhado para um mapa de Portugal ou da Península Ibérica teria verificado muito provavelmente que a fronteira Portugal-Espanha entre Badajoz e Mourão não está definida, já que a Comissão de Fronteiras Luso-Espanhola nunca chegou a acordo sobre a questão de Olivença.

De resto, a notícia de que a Igreja de Santa Maria Madalena pode vir a ser escolhida como "mejor rincón de España 2012" não afecta as pretensões portuguesas. Acaba por ser irónico, já que mesmo que Portugal viesse a reconhecer a soberania espanhola sobre Olivença, a igreja não deixava de ser uma igreja portuguesa, tal como há igrejas portuguesas noutros recantos do mundo.
Sem imagem de perfil

De pedro oliveira a 21.09.2012 às 20:48

Judite Sousa e não Judite de Sousa (já que gosta de ser rigoroso)

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





subscrever feeds