Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




...

por Rodrigo Moita de Deus, em 24.10.12

"Estamos no limite da tolerância da troika", diz Vitor Gaspar. Deve ter sido um erro na transcrição. Um ministro do Governo de Portugal diria “estamos no limite da tolerância com a troika”. A pequena diferença na semantica é uma enorme diferença na política.


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.10.2012 às 15:22

Mas há alguém que entenda este "governo" ?

Não são troca tintas..., não !

São muito mais...
Sem imagem de perfil

De Retornado a 24.10.2012 às 23:22

O Gaspar apenas expôs a ferida, outros virão fazer o grande tratamento que vai ser demorado.

Com as viagens low coast e internet, e umas remessas, a emigração não será tão violenta como noutras crises.

E lá se resolverá a situação para um dia voltarmos novamente à triste sina.

Mas não é muito complicado, o que mais custa são os primeiros 40 anos.

É repetitivo!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.10.2012 às 16:40

eSTAMOS FARTOS UNS DOS OUTROS E VICE-VERSA
Sem imagem de perfil

De Gaspar "luminati" a 24.10.2012 às 16:44

Oh Moita, também tu meu filho.
Estás a virar o bico ao prego?
Põe-te manso ou não te encomendo mais nada.
Sem imagem de perfil

De eu que gosto de intrigas... a 24.10.2012 às 17:31

oh moita, assessoriza o romney e escreve qq coisa sobre cavalos e as baionetas. eu sei que disso tu percebes...
Sem imagem de perfil

De assessor a 24.10.2012 às 18:29

Se fosse sobre burros...no PSD...
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 24.10.2012 às 19:06

A propósito do post "sobre o dinheiro público", podiam perguntar ao Nuno Gouveia se ele sabe se o art.º 13 da proposta do Orçamento de Estado vai ou não ser aprovado. Digo isto, por que na proposta, as "transferências" para a Fundação Saramago estão proibidas,como pode ver:
Artigo 13.º
Transferências para fundações
1 - Em execução das decisões tomadas nos termos do n.º 4 do artigo 5.º da Lei n.º 1/2012, de 3 de janeiro, ficam as transferências para as fundações identificadas na Resolução do Conselho de Ministros n.º 79-A/2012, de 25 de setembro, reduzidas no valor aí determinado.
2 - Ficam ainda proibidas quaisquer transferências para as fundações que não acederam ao censo desenvolvido em execução do disposto na Lei n.º 1/2012, de 3 de janeiro, ou cujas informações incompletas ou erradas impossibilitaram a respetiva avaliação.
3 - Para efeitos do presente artigo, entende-se por «transferência» todo e qualquer tipo de subvenção, subsídio, benefício, auxílio, ajuda, patrocínio, indemnização, compensação, prestação, garantia, concessão, cessão, pagamento, remuneração, gratificação, reembolso, doação, participação ou vantagem financeira e qualquer outro apoio independentemente da sua natureza, designação e modalidade, temporário ou definitivo, que seja concedido pela administração direta ou indireta do Estado, regiões autónomas, autarquias locais, empresas públicas e entidades públicas empresariais do setor empresarial do Estado, empresas públicas regionais, intermunicipais, entidades reguladoras independentes, outras pessoas coletivas da administração autónoma e demais pessoas coletivas públicas, proveniente de verbas do Orçamento do Estado, de receitas próprias daqueles ou de quaisquer outras.
Ou estarei a ler mal?

Comentar post