Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




os filhos do Estado Novo

por Rodrigo Moita de Deus, em 24.05.07

Fazer um aeroporto na margem Sul seria um projecto megalómano e faraónico, porque, além das questões ambientais, não há gente, não há hospitais, não há escolas, não há hotéis, não há comércio, pelo que seria preciso levar para lá milhões de pessoas. (Mário Lino)

 

A ideia de que o sul de Portugal está condenado à pobreza e à desertificação não é nova. Com o mesmo argumento o Estado Novo abandonou sistemáticamente o Alentejo à sua sorte.  Foi uma política criminosa: socialmente, economicamente e ambientalmente.

 

Trinta anos depois de Abril vemos que o conceito do "deserto" irreversível, contra o qual também foi feita a revolução, ainda vive nas mais insuspeitas figuras. Porque cresceram naquela mentalidade. Porque não conseguem desaprender o que lhes foi ensinado.

 

Grave não é um ministro da república constatar que a "margem sul é um deserto". Grave é um ministro da república achar que isso é normal. Se o Estado, se o dinheiro dos meus impostos, não serve para reduzir estas desigualdades, então para que serve?

Eu, cidadão, não quero ser accionista no negócio aeronáutico.   


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Yuri a 24.05.2007 às 14:49

E, já gora, o mesmo que fizeram e continuam a fazer a Trás-os-Montes.
Sem imagem de perfil

De isa a 24.05.2007 às 15:00

eu tb não.
Sem imagem de perfil

De Fafe a 27.05.2007 às 02:00

Custou-me o "sistemáticamente". Representa um alheamento da realidade.

Comentar post