Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




...

por Rodrigo Moita de Deus, em 17.09.15

Digam o que disserem as sondagens. Mais para cima, mais para baixo. Este foi o governo da troika, do aumento brutal de impostos, do Gaspar, das greves, da maior manifestação da nossa história, do irrevogável, das moções de censura e dos cortes históricos nas pensões e nos orçamentos da administração pública. Este é o governo das privatizações e de mais greves e de mais privatizações. Este é o governo humpty dumpty. Em que só Passos e Cavaco acreditavam numa legislatura completa. Em circunstâncias normais estaríamos a discutir o tamanho da maioria absoluta do Partido Socialista. Em vez disso as eleições estão renhidas. Aconteça o que acontecer, mesmo que ganhe, António Costa perde sempre.


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Ze a 17.09.2015 às 16:44

Touché!
Sem imagem de perfil

De cada vez cu relvas aparece a 18.09.2015 às 01:27

us gajos perdem 100 mil votos
Sem imagem de perfil

De anonimo a 18.09.2015 às 12:00

Grande verdade. O Relvas deveria enfiar-se num buraco.
Sem imagem de perfil

De queima beatas a 17.09.2015 às 19:17

Retrato em 3 passarinhos:

1-Costa não sabe do que fala e não fala do que sabe; 2-Faz-me lembrar algumas mais atrevidas de uma certa classe profissional que chamam ás outras antes que lhe chamem a elas;
3- Confiar neste dito Partido Socialista seria mais uma aproximação fatal a novo suicídio colectivo .

Para concluir substituindo-me a profissionais da comunicação, lembro que Costa achava muita curta, face ao desgaste do actual governo, a vantagem de Seguro nas sondagens como nas europeias e correu com ele. Agora perante uma vitória da bondade e uma derrota sem espinhas que até os mais envergonhados seguidores tem dificuldade em engolir está aí para ficar. Esperemos que no 4 de Outubro se vergue definitivamente e vá fazer a tal travessia.
Sem imagem de perfil

De Algarve a 17.09.2015 às 20:12

Sem duvida,mas nunca percebi o porquê do aumento de impostos,se durante toda a campanha eleitoral disseram que não iriam aumentar impostos,as pessoas votaram PSD por esse motivo a seguir a primeira coisa foi aumentar impostos,mas quem é que manda no país,são os políticos ou o povo??
Sem imagem de perfil

De A Mim Me Parece a 17.09.2015 às 23:15

É o povo. Aquele mesmo que vai voltar a "mandar" no próximo dia 4 de Outubro. Ou o que "mandar"nesse dia não vale?
Sem imagem de perfil

De ó filha o povo vai continuar na merda a 18.09.2015 às 01:28

já o pessoal virtual da interneta vai continuar a ir ao cu dos putos das casas pias
Sem imagem de perfil

De Tó Seguro a 17.09.2015 às 23:23

Não há dúvida que este Tonico Moita é único
PPC foi o HOMEM que conseguiu levar a barca naufragada e destroçada pelos socialistas pela tempestade deste mar revolto com todos a prognosticarem a desgraça, a permanência da troika e a necessidade de novo resgate ainda pior que o pedido pelo 33 em 2011.
O senhor Moita, pelos vistos fazia parte desse bando e agora sente necessidade de destilar o seu azedume e fel.
Faz bem!!! É saudável! Não se esqueça de beber umas águas das pedras ou se preferir umas pastilhas rennie que a azia passa.
No entanto devia tomá-las logo a seguir ao debate rádio matinal
No entanto aconselho-o a comprar um travesseiro antirrefluxo porque nem tão cedo se vê livre da azia, penso mesmo que em Outubro até se pode agravar.
Sem imagem de perfil

De Antes o socras a 18.09.2015 às 01:24

O quê? Houve debate? E ninguém me avisou?Estão todos feitos com a merkel.
O Seguro voltou?Era bem melhor.Com o que lá anda não vamos a lado nenhum.
Voz grossa,caganeira fina.
Um atraso de vida.
Sem imagem de perfil

De Maria Amélia Ribeiro a 18.09.2015 às 10:40

Oh meus queridos irmãos e compatriotas porque perdem tempo a comentar pormenores sobre este e aquele partido? Sinceramente acham que neste cenário das décadas passadas e na experiência amarga pela qual passamos vale a pena este tipo de análise?! Pessoalmente faço tábua rasa de todos partidos que passaram pelo governo! Venha o diabo e escolha! E não digo isto de o animo leve porque todos temos sofrido muito com os governos! Para que este fogo cruzado de injúrias? Se tivéssemos que escrever aqui tudo o que está mal nos vários candidatos nem todos os livros do mundo comportariam e nunca mais acabava. Enquanto não voltarmos aos valores de base: ex: honestidade, altruísmo, amor pelo próximo, justiça, verdade, transparência... Pode haver mil debates e mil eleições que sera tempo e dinheiro perdido! Um grande abraco
Sem imagem de perfil

De Algarve a 18.09.2015 às 19:13

Na politica é assim:

Honestidade=Aumentar funcionários públicos
Altruismo=Aumentar funcionários públicos
Amor pelo proximo=Aumentar funcionários públicos
Justiça=Aumentar funcionários públicos
verdade=Aumentar funcionários públicos
Transparencia=Aumentar funcionários públicos

E os outros que se f#&am!!
Sem imagem de perfil

De Lufra a 18.09.2015 às 11:01

O Sr. Rodrigo faz no seu texto alguma afirmação que só me podem levar a concluir que tem andado um pouco distraído nos últimos anos.
Faça lá bem as contas!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.09.2015 às 12:05

Deve ser lixado perder centenas de milhares de euros em adjudicações overpriced para os serviços da treta que tu prestas...


Tens que ser mais liberal, Rodriginho....

Ass: o António
Sem imagem de perfil

De JMJ a 18.09.2015 às 16:00

Ou se calhar o que se discute é um conjunto de sondagens encomendadas para fazer crer que há ainda quem esteja do lado deste governo, fora dos gabinetes dos ministérios e das sedes dos partidos que o sustentam (e mesmo aí, sempre na secreta esperança que tamanho esforço de vontade seja amplamente recompensado)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.09.2015 às 23:08

Depende do ponto de vista, sô Rodrigo. Repare:
Qualquer português sabe que a culpa disto tudo é do PS.
Este é o governo que criou esperança nos portugueses.
Os portugueses compreendem, e agradecem até, os sacrifícios que lhes são impostos.
Os outros, a malta da esquerda caviar, que nunca souberam o que é trabalhar e fazer sacrifícios, é que protesta.

Portanto, em circunstâncias normais estaríamos a discutir o tamanho da maioria absoluta da coligação.

Comentar post


Pág. 1/2