Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




E que tal uma entrevista à RCTV

por Pedro Marques Lopes, em 10.06.07

Existe uma indulgência assustadora para com Mário Soares. Com a excepção de Vasco Pulido Valente (apoiante de muitos momentos do ex-Presidente da República), que critica violentamente a entrevista daquele ao Expresso, instalou-se um constrangedor silêncio em redor das suas infelizes – no mínimo – afirmações.

As próprias jornalistas fizeram um papel igual ao da “entrevistadora” de Marcelo Rebelo de Sousa aquando do célebre filme no referendo sobre o aborto. Chamar entrevista àquele monólogo é adulterar o próprio conceito. No caso de Marcelo entendia-se (estava em curso uma campanha) no caso de Soares é, pura e simplesmente, prestar um mau serviço aos leitores do jornal e fazer um frete a Soares, enfim…

Dos íntimos momentos com Chávez (esse novo Simon Bolívar) onde se comentam os abraços de Lula a Bush à “divulgação” de um estudo americano (claro…) onde se faz a apologia do extermínio de populações (dão-se alvíssaras a quem o conhecer) passando por moralismos de pacotilha sobre os políticos actuais (não vale rir sobre quem seriam os que ele acha os bons exemplos) ou tontices do género conversa de café sobre o neoliberalismo, Karl Popper ou Wolfowitz, valeu tudo.  

 

Que Mário Soares se esqueça que os serviços prestados ao país – não há que negar a importância de vários – geram também acrescidas responsabilidades é grave mas é de alguma forma compreensível. O que não se pode entender é a espécie de certificado de inimputabilidade política que lhe querem tentar passar. Parece existir uma espécie de pacto de silêncio sobre tudo o que Soares diz por mais grave que seja.

 

P.S. A única coisa boa desta entrevista é ficarmos com a certeza que Mário Soares já não é do PS. Isso é, em parte, um sossego. Imagine-se o que não seria o Mário Soares de hoje com alguma influência na governação…

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De isa a 10.06.2007 às 20:08

muito bem!

confesso que me ri qdo li na capa que ele gostava de ter escrito os maias. e dps disso achei que n devia ler mais nada.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.06.2007 às 21:40

E a ISA já leu os Maias?

Sem imagem de perfil

De formigapreta a 10.06.2007 às 23:12

De Sr. Soares eu espero tudo, excepto que reconheça que não é um superdotado democrata a quem a pátria, o regime e a história devem uma infinidade de favores convertíveis em euros.
Sem imagem de perfil

De Filipe Abrantes a 11.06.2007 às 07:33

Excelente análise.

Mário Soares é como Deus, não vale a pena lutar contra.
Sem imagem de perfil

De Maria Marques a 11.06.2007 às 16:27

Post muito acertado. Quando li também pensei que o senhor estava mesmo senil. E é sempre muito engraçado ver como certos esquerdistas preferem sempre líderes autoritários do tipo Chavez aos líderes democratas que não sigam o seu credo (como Bush agora e Reagan há duas décadas). O mesmo é dizer que preferem a ideologia socialista à liberdade e à democracia.

Comentar post