Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




...

por Rodrigo Moita de Deus, em 01.03.18

passos.jpg

Na sua cabeça até pode ter presidenciais esperanças para o dia em MRS se farte do lugar mas a verdade é que Passos Coelho sai de cena como o mau da fita. Mau líder da oposição. E o homem responsável pela "destruição do SNS", pelo "desinvestimento público", a "pior crise económica da democracia" e a probreza de milhares e milhares de portugueses. O pai da austeridade. O passismo tornou-se adjetivo. E o adjetivo não é um elogio. Uma narrativa da esquerda que o próprio, por omissão, deixou vingar. A política tem destas injustiças. Passos fez o que mais ninguém quis fazer - nem o PS. Assumiu responsabilidades que mais ninguém quis assumir - nem o Presidente. E, contra todas as expectativas, conseguiu. E conseguiu mesmo. O país que não tinha dinheiro para o ordenado dos funcionários públicos evitou a ruptura. O governo que não tinha condições para sobreviver mais de três meses durou um mandato inteiro e até ganhou as eleições. Ao país herdado e falido de 2011 valeu a teimosia daquele homem. Tudo o resto é conversa. E no fundo, no fundo, a Catarina, o Jerónimo e o António até sabem disso.    

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De António a 04.03.2018 às 14:25

É o mau da fita como um dentista é o mau da fita. Ninguém gosta de lá ir, mas tem que ser, principalmente se, como foi o caso, os dentes estavam cheios de buracos. Muita gente entendeu, o homem ganhou as eleições.
Talvez venha a ser Presidente, mas não creio, os portugueses gostam mais de carinhos e afectos do que de ver as coisas feitas.
Por mim, preferia-o a fazer o que faz bem - ser Primeiro-Ministro.

Comentar post