Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




o que faz um governo?

por Rodrigo Moita de Deus, em 17.08.07

Filipe,

 

Um governo não é uma espécie de Lusa. Um governo não informa. Nem tem de informar. Se um governo não informa, não pode desinformar.

 

Um governo, qualquer governo, é um agente activo no debate político. Não é passivo, nem neutro, nem mudo. Dentro das regras, tem o direito de emitir comunicados, escrever comentários em blogs, fazer vídeos no youtube ou alterar entradas na wikipedia.

 

É claro que podemos sempre levantar a questão da diferença de meios colocados à disposição do governo e de quem se opõe ao governo. Mas isso é um problema das pessoas que votaram no governo.


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Rodrigo Moita de Deus a 17.08.2007 às 23:16

Caro JPG,

Vamos por a coisa ao contrário: ficaria mal impressionado com um governo que se diz tecnológico e que depois não tivesse uns rapazes a monotorizar o que na net se diz dele.
Sem imagem de perfil

De JPG a 18.08.2007 às 00:13

Compreendo, mas não entendo...
Pela 3a vez o digo, é estupidez a +. Nem o próprio Diácono Remédios seria tão bronco. Monotorizar não é o mesmo k censurar
Sem imagem de perfil

De Rodrigo Moita de Deus a 18.08.2007 às 01:23

Diz que uma vez puseram um processo disciplinar público a um professor que tinha insultado o primeiro-ministro.
Sem imagem de perfil

De JPG a 18.08.2007 às 15:21

Pois diz, pois diz. E bem se viu o resultado! É da mais básica ciência política a perigosidade do bajulador para com o seu "chefe"; perigosidade para o "chefe", bem entendido. E quem diz bajulador, diz quadro intermédio (ansioso por mostrar serviço e agradar ao dito chefinho) ou diz, pior ainda, quadro superior com poderes executivos. Pois diz, pois diz.

Mas vamos supor - hipótese meramente académica ou simples teoria da conspiração - que o tal funcionário, de virtual lápis azul em punho, era (ou é) afinal, alguém da "oposição"...
Não será completamente disparatado presumir que nem todos os funcionários do CEGER (ou de qualquer outro organismo do Estado) serão, forçosamente, militantes ou simpatizantes do Partido que é, neste momento, Governo. Presume-se por conseguinte que não existirá uma razia completa, de cada vez que muda o Partido no Poder, em toda a estrutura do Estado.
Comparando os custos (previsíveis) com os (putativos) benefícios de tão espalhafatosa e desastrada manobra ("corrigir" entradas wiki sobre o PM), fácil será concluir que a mesma (manobra) - interessando muito mais à "oposição" do que ao "governo" - poderá perfeitamente ter resultado de pura contra-informação: um presente envenenado, também ele típico da luta política e figura de eleição dos respectivos manuais.
O próprio Governo dar-se à maçada de alterar wikis (que valem o que valem, o que vem a ser muito poucochinho), bem, isso é que não parece nada plausível.
Ou então, sabe-se lá, a julgar pela catadupa de acontecimentos recentes, as sucessivas argoladas de (ir)responsáveis oficiais, os diversos tiros nos pés que o PM e seus apoiantes vão dando... pois sim, então lá teremos de admitir a terrível verdade: está tudo passado da cabeça, lá pelas altas esferas governamentais. Quando o Governo deixa de governar o país e se dedica exclusiva ou essencialmente a governar-se a si próprio - para se manter como tal - não faz mais do que adiar o inevitável. Ou, por outra, precipitar o inevitável.
É nesta acepção que utilizo a expressão "ninguém poderia ser assim tão estúpido".
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.08.2007 às 18:11

Guterres foi assim tão estúpido e muitos destes ministros, incluindo o "primeiro" ve dum governo assim tão estúpido.
Visto pelo ponto de vista dos "estúpidos" em democracia qualquer governo é a prazo, mas os estúpidos (incompetentes sem escrúpulos) entretnto, em vez de governarem, governam-se! e vão minando o estado (nomeando apaniguados políticos sem espinha; quantos casos deste governo quer?) para poderem influenciar mesmo que não tenham sido eleitos e para criarem condições para lá voltarem rapidamente. Depois repetem o ciclo com uma grande parte das mesmas caras.
Sem imagem de perfil

De JPG a 19.08.2007 às 02:31

Ok, pronto. I'll rephrase my sentence. Quase ninguém poderia ser assim tão estúpido.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.08.2007 às 11:59

O que desde logo invalida completamente a tese de que o governo não pode ter nada a haver com o assunto, porque supostamente ninguém o faria... deviam dar uma explicação. Ma sjá houve tantos assuntos em que eles deviam ter dado uma explicação... desde logo o que originou este, o canudo e o que deram foi uma farsa de entrevista, combinada! (como é que os dois jornalistas que se prestaram à farsa, não fazendo as perguntas pertinentes, não ficaram de imediato queimados? só pode ser muita incompetência (que se sabe que não é) ou mistiifcação que é grave violação de conduta deontológica!).
No meio disto tudo vão escapando mas cada passo que dão queima tood o terreno à sua volta. Quando finalmente sairem do governo já não haverá país mas um campo de minas ingovernável.
Sem imagem de perfil

De Rodrigo Moita de Deus a 18.08.2007 às 23:23

Á única parte em que discordamos, com saúde, é sobre a importância do acto. É sinal de inteligência que o governo se dedique a essas coisas. Aquela entrada tem mais importância que dez minutos de televisão. Os tempos mudaram.

Abraço amigo

Deus (o outro)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.08.2007 às 01:50

Não sei se isto se refere a mim ou ao JPG (Se se referir a mim de qualquer maneira há outra coisa em que discordamos, na forma. Um artigo de resposta é de gente que se sente, apagar, alterar, modificar em seu proveito é iguala ameaçar com processos os jornais e rádios que divulgassem a história do canudo mal tirado (mas bem comprado).
De qualquer maneira ainda bem que ficou esclarecida a referência aos avós!
Um abraço e até à próxima
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.08.2007 às 13:17

Curiosamente o diácono remédios, que fazia todo o sentido como uma crítica ao padre melícias, o franciscano (que se orgulha de ser rico!) ligadíssimo ao ps (mais do que interligado, poder-se-ia mesmo dizer com a "carreira pública" interpenetrada com o ps), aparece numa rábula a limpar-lhes a imagem. herman josé, no tempo do governo guterres, retira força ao seu personagem, fingindo-o o contrário daquilo que ele representava.
O personagem perdeu força mas herman teve muita no processo casa pia e a vida muito facilitada. Coincidências!

Comentar post