Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Vá lá malta, uma lagrimita

por Pedro Marques Lopes, em 10.09.07

Estes rapazes têm ganho umas coisitas mas já sabemos que isso não interessa nada, aliás, no desporto de alta competição ganhar é o que menos importa... Não me lembro, mas deve ser falha minha, de ouvir elogios ao basket português quando a modalidade começou a trazer uns resultados interessantes.

Têm, porém, defeitos terríveis: não choram baba e ranho quando cantam o hino, não têm nenhum jogador argentino, não se armam em amadores e sobretudo ganham uns joguitos.


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Pedro Bizarro a 10.09.2007 às 17:46

Pedro,

Palavra de honra que ainda não consegui perceber o seu problema com a selecção de rugby. Então os jogadores de basket não têm sido elogiados? Tenho ouvido bastante sobre o assunto - aliás, em paralelo com os elogios à selecção de rugby, é uma notícia a seguir à outra.
Quanto à equipa de rugby: como foi exposto num post mais abaixo, eles são de facto amadores - não estão a fingir - e estão a fazer uma óptima figura. Ou o Pedro acha que o jogo com a Escócia foi mau? Se jogam bem, se se emocionam a cantar o hino, se realmente deixam - e deixam - a pele em campo, qual é então o problema de as pessoas os acharem "uns heróis"?
Sem imagem de perfil

De António a 10.09.2007 às 18:15

Caro Pedro,

Acho óptimo que tenha uma opinião, acho óptimo que condene a euforia gerada à volta do rugby, só não acho muito bem que resolva dar tiros para todos os lados manifestando uma incoerência que só lhe fica mal.
Então o Deco e o Pepe são o quê? Nascidos e criados em Portugal? O elogio às "amélias" foi seu...
E o joão gomes (o cobiçado pela NBA) não é de origem cabo-verdiana?
A questão que colocou inicialmente era não participar da euforia, porque lhe "dá galo", como fervoroso adepto da modalidade (palavras suas), que algumas pessoas cantem o seu amor ao rugby (ou à raça dos Lobos?) sem sequer saber as regras.
Discutível, mas válido.
Esqueceu-se de focar nesse ponto e começou a deitar sentenças ao sabor da pena. Concordo consigo ao ponto de reconhecer que a nossa selecção de futebol merece muitos dos elogios que lhe têm sido dirigidos, agora quando vemos jogadores pagos a peso de ouro a arrastarem-se no campo, dando uma péssima imagem da (dita) garra portuguesa, damos por nós a pensar se um bocadinho da paixão que os "lobos" levam para dentro de campo não lhes faria bem.

Mas achei que o Pedro até chegou a estar bem, no exagero. teve graça. o problema foi ter começado a esbracejar quando se sentiu açoitado pelos vizinhos.
Acabou por se afundar mais e perder a (pouca) razão que tinha.

Um abraço.
Imagem de perfil

De Pedro Marques Lopes a 10.09.2007 às 19:31

Caro António,
Muito obrigado pelo seu comentário. Finalmente, posso responder a alguém.
Este meu desagrado começou por se relacionar com a desmesurada importância que na minha opinião se está a dar à participação da selecção no mundial de rugby. Depois foi crescendo com uma coisa que me deixa de cabeça perdida que são os assomos de patriotismo tonto que se revela nos acontecimentos desportivos. Subitamente, aqueles rapazes eram o espelho da pátria ou uma espécie de magriços (não confundir com os de 66) que iam ressuscitar o orgulho pátrio. Nada me poderia parecer mais ridículo.
Para lhe ser completamente franco não consigo vislumbrar mais ou menos patriotismo (seja o que isso for) na selecção de Rugby do que na de Andebol, Vela, Futebol ou Ténis.
Quanto aos estrangeiros, lamento mas não me compreendeu ou não me expliquei bem: nada contra estrangeiros nas nossas selecções. O que me irrita é que existam dois pesos e duas medidas. No futebol, os patriotas de serviço, andam a vociferar contra o Pepe e o Deco como já se sentiram muito incomodados com os brasilerios na selecção de vólei, no Rugby jogam argentinos e não jogam outros estrangeiros por não terem sido autorizados e ninguém se chateia com isso.
Deixe-me acabar dizendo-lhe que não sei o que é isso da garra portuguesa como não sei o que será a russa ou azeri. Se souber diga-me.
Um abraço e mais uma vez obrigado pelo seu comentário
pml
Sem imagem de perfil

De Izz a 10.09.2007 às 18:54

Para quem sabe tanto das regras do jogo, não percebo tanta insistência no assunto dos nossos jogadores Argentinos. No rugby, estes processos (e muitos outros) são transparentes e bem regulamentados:

http://www.irb.com/mm/document/lawsregs/0/060924gfirbregulation8%5f883.pdf
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.09.2007 às 19:21

Nada sei de râguebi, de futebol, de hóquei em patins, e de todas as canseiras a que chamam desporto. Mas sei que tenho maior desprezo por todas as criaturas que cantam essa música do 5 de Outubro.
Sem imagem de perfil

De David Silva a 10.09.2007 às 23:22

Nada contra o prazer do ócio. Concordo com o autor do post em condenar um certo patriotismo bacoco. Assim como condeno o uso do hino e da bandeira de forma abusiva, principalmente em publicidades.
AGORA ESTE ANÓNIMO SENTE DESPREZO POR QUEM CANTA O HINO PORTUGUÊS?!! 5 de Outubro ou não, bretões ou canhões, bandeira verde e vermelha ou azul e branca, são os símbolos que temos e devem ser respeitados como tal. Mais respeitados ainda deverão ser os cidadãos no geral, razão de ser de tais símbolos!
Desprezível foi o seu comentário!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.09.2007 às 00:35

Nem mais! até pode fazer como o outro tonto que queria mudar o hino para algo politicamente correcto, mas entretanto este é o hino deste país, de todo o país. Pode ter outro hino, outra bandeira, desde que tenha outro país, mas nesse aguente-se com o que lá está!
Sem imagem de perfil

De Nuno Martins a 11.09.2007 às 16:46

Peço muita desculpa, mas tal como o comentarista anterior não me revejo neste hino, nesta bandeira, nesta constituição, nesta forma de governo e nesta chefia de Estado!
Quem tiver problemas com isso pode muito bem no próximo dia 5 sair à rua para cantar o raio que vos parta!
Sem imagem de perfil

De David Silva a 11.09.2007 às 21:38

Eu também me revejo neste governo! Pudera! Mas confundir Estado/Nação com Governo é erro crasso.
Mas se o que vos separa do Portugal actual é assim, tanto, por favor, digam-nos: em que é que se revêm?
Sem imagem de perfil

De Nuno Martins a 12.09.2007 às 07:18

Caro David Silva,

Não me estava a referir ao governo (no qual não me revejo, mas este é mutável, e como democrata que sou, aceito-o). Referia-me à forma de governo, que é o que escrevo no meu comment. O meu caro amigo é que confunde "Estado/Nação com Governo".
E sinceramente, o problema é que o David não é o único...
Sem imagem de perfil

De Maria Francisca Vareta a 12.09.2007 às 13:49

MUNDIAL:RUI CORDEIRO E LOBOS ARREPIAM

NÃO FOI SÓ EM PORTUGAL QUE O HINO PUXOU PELAS EMOÇÕES

12.09.07
FONTE: JORNAL RECORD

Os homens também choram, e isso ficou provado quando os jogadores da Selecção cantaram o hino antes do Escócia-Portugal. As imagens emocionaram o País mas não só. No bloco informativo dedicado à prova, a TF1 – uma das principais cadeias de televisão francesas – anunciou “o momento mais incrível do Mundial até agora” e, de seguida, exibiu “A Portuguesa” na íntegra, com os Lobos a chorarem.

Não é todos os dias que se vê um “gigante” de 1,84 metros e 140 kg a chorar como uma criança. Mas Rui Cordeiro foi um dos Lobos que mais impressionou a cantar hino. Logo ele, que “é difícil ir às lágrimas”. “Senti tanta coisa. O hino sempre foi um momento importante nos nossos jogos e nós não o cantamos, gritamos! Depois entre o aquecimento e o regresso, as bancadas, que ainda estavam quase vazias, compuseram-se. Deu-me muitas ganas”, explicou Cordeiro, prosseguindo: “Assim como a Nova Zelândia se motiva com o ‘haka’, nós fazemo-lo com ‘A Portuguesa’.”

Força Lobos!

Comentar post