Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Deus, o Diabo e as Eleições do PSD

por Manuel Castelo-Branco, em 28.09.07

Deus, o outro, convidou Daniel Oliveira para cobrir as eleições do PSD.

 

É, sem dúvida, uma iniciativa original, que pode trazer algumas leads ao 31.

Entendemos, no entanto, que a criatura em causa, não por acaso militante entusiasta de partido de extrema esquerda que ainda não se iniciou nas franjas da democracia, revela no debate político uma total e absoluta desonestidade intelectual, motivado, porventura, num exagerado deslumbramento perante o flash dos media, e assim aceitando todo e qualquer papel só para ter um obter um pouco mais de audiência, de projecção ou notoriedade. 

 

Parece-nos óbvio, portanto, que convidar Daniel Oliveira, alguém com manifestas dificuldades em compreender uma economia de mercado, a livre iniciativa e o fenómeno da concorrência, para comentar o desenrolar do congresso de um partido livre e aberto como o PSD, possivelmente o partido que mais contribuiu para a democracia que temos hoje em Portugal, equivale a pedir a Vasco Goncalves que comentasse a evolução da bolsa ou a um Trosky para nos falar sobre as virtudes democráticas da vida de Churchill.

Posto isto, e porque os signatários não podem, nem conseguem, conviver electronicamente ou partilhar um bite que seja com o mencionado comentador, optam por suspender a respectiva participação neste blogue,  até ao final deste dia, sem prejuízo de oportuno recurso às caixas de comentários visando pôr na ordem quem o merece.

Tentaremos, naturalmente, minimizar o impacto público, nacional e internacional, desta nossa decisão, e agradecemos os incessantes e, não raras as vezes, desesperados clamores para repensarmos esta suspensão. Conscientes da falta que a nossa colaboração, tão regular e incontornável, provoca nas pessoas de bem de todo o mundo, permanecemos contactáveis por sinais de fumo.

Declaração adicional de voto de Manuel Castelo Branco: como neste campo não tenho a abrangência do Pedro Marques Lopes, farei como um dos heróis do Rodrigo: abdico pelo período em que o dito senhor escrevinhar no nosso blogue.

 

Pelos 31s que adbicam

Manuel Castelo-Branco

Jacinto Bettencourt



lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Zé Pedro Silva a 28.09.2007 às 11:40

"enquanto o método de Hondt favorece a lista mais votada"

Desculpe perguntar, mas Hondt é que leu isto?
Sem imagem de perfil

De Miguel Madeira a 28.09.2007 às 12:53

Façamos as contas.

No Algarve, nas eleições para a convenção do BE, a lista A teve 78% dos votos, 17 delegados; a lista C, 17,2% e 4 delegados; e a lista D, 4,7%, 1 delegado (não me perguntem o que se passou com o 0,1% que falta).

De acordo com o método de Hondt, a lista A teria eleito 18 delegados, a lista C, 3 e a lista D, 1 - logo o método de Hondt teria beneficiado a lista A.

Comentar post