Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O poder do elogio

por Augusto Moita de Deus, em 11.07.18

Em Portugal lidamos mal com a crítica. Em primeiro lugar porque não gostamos de ser criticados. Depois, porque a crítica é frequentemente ad hominem, subjectiva, em vez de se circunscrever ao assunto objectivamente em causa. Para além disso, há a incoerência essencial de criticar mas depois não elogiar. Porque fazer bem é considerado o normal. Porque se se faz bem é porque não há mais nada a dizer, uma espécie de stiff upper lip à portuguesa. (E já agora: porque se a pessoa faz bem, então a crítica negativa deixa de ser um instrumento de poder; pior: se faz bem, aquela pessoa passa a ser um rival).

 

Mas tudo isto é miope. Uma sociedade em que se valoriza o elogio sincero é uma sociedade mais exigente e produtiva. Veja-se a estratégia de colocar autocolantes nos cadernos dos alunos dos Primeiros Ciclos do Ensino, sempre que fazem bem uma tarefa. O que os miúdos se esforçam para ter e para manter a recompensa dum sticker com um smiley!! O elogio sincero e fundamentado é uma parte importante duma crítica construtiva e objectiva, visto que: a) na ausência do elogio, a própria pessoa começa a avaliar o que pode ter feito mal; b) a pessoa está mais receptiva a ouvir a crítica de alguém que anteriormente a elogiou. 

 

O que é que isto tem que ver com Cristiano Ronaldo? Simples. Para além de ele querer um novo desafio; da ingratidão dos adeptos espanhóis; da perseguição do fisco; e também daquele detalhe dos 120 milhões de euros que ele vai ganhar, ninguém me tira que um dos motivos de CR7 ir para a Juventus foi aquelas palmas espontâneas com que os adeptos italianos o agraciaram após o memorável golo que marcou em Turim. Aquele momento pode ter mudado tudo. Um elogio sincero e fundamentado pode mesmo mudar uma vida. É esse o poder do elogio.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.07.2018 às 14:15

O português é invejoso por natureza, por isso é que vota e toma decisões com a carteira. Não aprendeu nada desde o século passado e tem vindo a refinar.
Dá-se mal com a crítica, julga-se o supra sumo da barbatana.
Para ter mais estilo que o vizinho, vende a mãe se tiver algum lucro nisso.
Cristiano Ronaldo é uma pérola que caiu na pocilga.
Não saímos da cepa torta, votamos em quem nos der mais.
Imagem de perfil

De Sem Sentido a 13.07.2018 às 09:31

O facto de Julen Lopetegui ser o próximo treinador do Real Madrid também não deve ter ajudado muito...
Sem imagem de perfil

De RG a 13.07.2018 às 10:17

Completamente off-topic ou talvez não: essa cena dos stickers reduz as crianças à condição de pouco mais do que cães pavlovianos.
Imagem de perfil

De Sarin a 13.07.2018 às 12:03

Com a pequenina diferença de que os cães adaptaram a resposta não-consciente por exposição continuada ao mesmo estímulo e as crianças respondem conscientemente a estímulos diversos usando pensamento crítico e atitudes pensadas, é, se calhar tem razão...

Também há aquela diferençazita de que os cães obtinham a satisfação de uma necessidade básica, alimento, e as crianças são premiadas com um símbolo que não satisfaz mais nada que não essa coisa subjectiva que dá pelo nome de auto-estima. Ou ainda a outra relacionada com o facto de os cães serem privados de alimento como teste de contraste, enquanto as crianças não são privadas do ensino e das tarefas como método para apurar as respostas em situações de abstinência de sticks...

Desculpe, qual é exactamente a semelhança? Off topic, mas já que falou nisso...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 13.07.2018 às 20:32

Uma vénia merecida ao artigo a esta resposta ao comentário!
Imagem de perfil

De Sarin a 13.07.2018 às 21:17

Obrigada :)
Imagem de perfil

De Charneca em flor a 13.07.2018 às 14:17

Nunca tinha pensado nisso mas faz muito sentido. Já tenho sentido isso várias vezes. É tão fácil criticar mas é quase impossível recebermos um elogio.
Imagem de perfil

De Alfa a 13.07.2018 às 16:13

Sem dúvida. Costumo pedir aos pais dos meus alunos que não se limitem a condenar os maus resultados, mas que também elogiem os resultados positivos motivando-os. E compreendo o Ronaldo até eu fiquei da Juventus.
Imagem de perfil

De Augusto Moita de Deus a 13.07.2018 às 21:45

Quero assinalar a excelente discussão, aqui na caixa de comentários!!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.07.2018 às 13:55

Parabéns, um dos bons posts deste blog.
RP

Comentar post