Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Simulacro

por Augusto Moita de Deus, em 19.05.20

Concorde-se ou não com as medidas de confinamento que foram tomadas, é inegável que um dos seus méritos que tem sido pouco salientado é o seguinte: tais medidas foram um simulacro para uma pandemia de maior letalidade. É possível parar tudo ou quase tudo? Ficou demonstrado que sim. Perdeu-se tempo precioso (visto nas dúvidas iniciais a nível de cuidados intensivos, na escassez de equipamentos de protecção, num certo adiamento das medidas de confinamento)? Sem dúvida. Foram aplicadas medidas exageradas que afectaram desnecessariamente pessoas e empresas, em que o uso de máscaras e distância teria permitido lidar com a situação? Certamente que sim e há que aprender com esta experiência, especialmente perante a quase inevitável segunda vaga. Mas tudo isto ocorre com uma doença (ainda pouco compreendida mas) não tão letal como outras infecções.

Não se pretende minimizar a letalidade deste coronavirus (maior que a gripe; e nem estou a minimizar a letalidade da própria gripe, que percebemos agora que normalmente até é menosprezada). Só estou a dizer que no universo das possíveis pandemias, há pior. E portanto é positivo estarmos preparados. 

Fomos treinados pelo simulacro-Covid-19. Mas e se a tal pandemia pior não acontecer? É fácil responder. Se nunca ocorrer esse cenário pior, melhor. 


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.05.2020 às 19:51

E já agora metam aqui um corrector automático. Negacionistas, era assim que devia ser não fora esta mania de me considerar um ás nesta coisa a que se chama teclar.

Comentar post