Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A razão do conflito

por Afonso Azevedo Neves, em 23.04.09

Com a sua experiência política, o Presidente da República percebe que o PSD não tem uma mensagem, uma alternativa forte e estruturada a este Governo ou, na melhor das hipóteses, não a está a conseguir passar.

 

Aparentemente, vê-se numa situação em que não lhe restam alternativas: ou corporiza a oposição ou vê o desagrado com o Governo continuar a materializar-se nos partidos da esquerda radical.

 

Pedro Marques Lopes no DN

PeC

por Afonso Azevedo Neves, em 21.04.09

O Prós & Contras de ontem foi um memorável momento televisivo e não o escrevo a brincar. Foi mesmo. A gritaria ajudou e muito, a perceber ao que vinham os candidatos.

 

Se Ilda Figueiredo falou para o seu partido, na prática estar ali ou sozinha numa sala a falar para uma câmara era igual, sendo que se era esse o objectivo esteve lindamente.

 

Miguel Portas veio no entanto com uma agenda bem diferente, falou para fora e sobretudo contra o PS, o fim foi atingido e a espaços assumiu uma clara liderança no debate.

 

Nuno Melo começou melhor que os restantes candidatos mas, ao longo do programa, foi perdendo “pontos” e assim que foi interrompido pareceu-me ter perdido o registo o que não deixa de ser estranho para um deputado.

 

Vital Moreira foi o que mais me surpreendeu, sendo certo que hoje já não usufrui das vantagens da k7 – uma autêntica muleta quando não se quer dizer nada – a sua proverbial independência foi totalmente desmentida pela argumentação coxa em defesa do governo a que foi forçado por Rangel, logo secundado por Porta e Melo. Houve mesmo momentos algo confrangedores que reforçam a ideia exposta no Insurgente: realmente a melhor coisa que o PS pode fazer é esconder o seu candidato e garantir que a sua imagem se mantêm mais ou menos intacta até às eleições.

 

Paulo Rangel demorou algum tempo a sair do seu registo algo formal mas assim que o fez, sacrificando alguma objectividade por um discurso mais agressivo, a sua prestação melhorou muito e foi com surpreendente facilidade que expôs as fragilidades do seu adversário.

Índice de Pachecopereirismo 2

por Afonso Azevedo Neves, em 04.03.09

A questão do pachecopereirismo não é de imaginação delirante, é de delírio galopante.
E, nalguns casos, sem emenda.

 

O pobre Pacheco Pereira, na sua ânsia fiscalizadora, agarradinho aos sitemeters e dedinho no ar logo viu terríveis cabalas e maldade indesculpável na petição online pela candidatura de Marcelo.

 

Apesar de os nomes envolvidos serem clarinhos como água, as intenções expressas no texto não darem espaços a interpretações dúbias, ter sido pessoalmente informado de quem e como tinha sido iniciado o processo, o pobre Pacheco viu: confissões, ataques, confusão.

Que fazer? Nada. Com Pacheco Pereira não há nada a fazer, o "Menezes" de Passos Coelho cega e dá lições de moral.

 

A questão principal fica esquecida, até porque a CPN é constituída de gente crescidinha e que sabe pensar sozinha: Marcelo é ou não o melhor candidato do PSD?

Desvitalizar o Vital

por Afonso Azevedo Neves, em 02.03.09

O PSD tem uma óptima oportunidade para vencer (pela primeira vez) as Europeias ao PS.

 

A tampa na caneta

por Afonso Azevedo Neves, em 13.02.09

Aquela frase de Manuela Ferreira Leite que a História (com maiúscula) lhe dará razão, não é só um argumento típico do desepero e da derrota como escreve hoje o VPV no Público, é o assumir dessa derrota.

Churchill a este propósito deu um dia a resposta do vencedor, a História seria boa para ele já que ele tinha intenções de a escrever. Manuela Ferreira Leite parece ter posto a tampa na caneta.

O ano da lama

por Afonso Azevedo Neves, em 12.02.09

José Sócrates atravessa um momento muito difícil, mas não é perdendo a cabeça que dignifica a discussão política. A capacidade de manter a serenidade no meio da tormenta é o grande teste dos grandes líderes. A menos que o primeiro-ministro queira mesmo vitimizar-se para provocar uma crise, antecipar as eleições e ir a votos, antes que o desemprego e a crise façam ainda mais vítimas.
Mas se é isso, Sócrates deve abrir o jogo quanto antes. O país agradece.

 

Ângela Silva

As sondagens valem o que não valem as ideias do actual PSD

por Afonso Azevedo Neves, em 11.02.09
Este artigo de Fernado Sobral

termina com a frase que dá título a este post. Infelizmente para o PSD, o caminho que se avizinha e que Marcelo veio agora adivinhar, não parece ter alternativas viáveis. Diz-se por aí a possibilidade de antecipação de eleições legislativas, a necessidade de legitimar um novo programa de governo saído do Congresso do PS, face à urgência de novas soluções para responder a uma crise que o actual PM conseguiu catalogar de imprevista, serão parte da justificação. A ser assim e cumprindo o mandato que legitimamente lhe foi conferido, Manuela Ferreira Leite enfrentará um resultado eleitoral - provavelmente em Junho - que lhe dará pouca margem de manobra para permanecer na liderança até às autarquicas. Nessa altura se verá quem estará disposto a “apanhar os cacos” de mais um resultado humilhante, recorde-se que Marques Mendes sempre foi visto por boa parte da actual liderança como alguém que só serviria para esse serviço. Seja como for, Santana Lopes respira uma saúde política que ninguém que votou Ferreira Leite adivinharia e Passos Coelho já fez todos os alertas que podia ter feito. Não sei se já é tarde, sei é que quem está a ditar o tempo na agenda política chama-se José Sócrates e só isso devia fazer pensar o PSD.

A entrevista

por Afonso Azevedo Neves, em 16.01.09

A entrevista de MFL ontem à noite na RTP1 tinha alguma importância face ao presente estado de coisas no PSD e as péssimas sondagens que tinham saído*.

Ora, MFL esteve muito bem e é bom que se diga isto, com uma única excepção que foi quando se referiu à baixa de impostos onde demosntrou uma fragilidade de argumentos grave para quem é suposto dominar o assunto. No entanto, esteve bem no caso de Santana e muito bem no caso de Olhão e excelente na questão da antecipaçãp de eleições.

Gostei especialmente das suas referências a Passos Coelho, legitimando e agradecendo a sua acção no PSD, só falta mesmo um post elogioso do Pedro Picoito sobre ele.

Como diz o Vasco tudo isto com a chancela de qualidade que é a reprovação do CAA, ou seja, uma noite em cheio!

 

Uma última nota sobre o inevitável Menezes, espero que a Direcção do PSD tenha aceite a minha sugestão sobre cartões de agradecimento. O homem merece.

 

 

 

*É verdade que a Aximage tem dado as sondagens mais baixas só que nem por isso as restantes negam o óbvio: o PSD tem vindo a descer nas intenções de voto, com excepção de uma sondagem de hoje em que não desce e sobe uma décima.


 





subscrever feeds